Após demissões na pandemia, Madero pode entrar em recuperação judicial

Veja Junior Durski
Junior Durski do Madero. Foto: Reprodução/Instagram

A rede de restaurantes Madero estuda pedir recuperação judicial, segundo o colunista Lauro Jardim no Globo. A empresa passa por dificuldades financeiras e tem uma liderança que expressou negacionismo na pandemia do novo coronavírus – fora as demissões.

LEIA MAIS:

1 – Sem passaporte de vacina, ex-modelo dos anos 90 bolsonarista é barrada em cinema no Rio

2 – Guru da cloroquina, Didier Raoult divulgou estudo da Prevent Senior, falou com diretor e usou os mesmos métodos antiéticos

3 – Abandonada pelo pai, Cristiane Brasil diz que Roberto Jefferson não está bem da cabeça

Madero em baixa

Em julho de 2020, o apresentador da Globo, Luciano Huck, se desfez de sua participação na rede de restaurantes Madero. Vendeu-a para o sócio majoritário, Junior Durski. O executivo fez discursos negacionistas na pandemia da covid.

Durski publicou um vídeo em que critica a reclusão irrestrita da população.

Defendeu a seguinte tese:

“Não podemos parar por conta de 5 ou 7 mil pessoas que vão morrer. Sei que é muito grave, sei que isso é um problema, mas muito mais grave é o que já acontece no Brasil”.

Apoiador de Jair Bolsonaro, bolsonarista raiz, portanto, Durski foi criticado. O acusaram de estar mais sensível à queda nas vendas de seus hambúrgueres do que à inevitável perda de vidas de brasileiros vítimas da Covid-19.

Embora diga que tenha sido mal interpretado e que “tem que perder o menor número possível de vidas”, Durski não recuou:

“Não me arrependi de nada do que falei. O confinamento, do que jeito que está, é um absurdo. Se a economia não funciona, o governo não funciona, e nada funciona. Com esse lockdown, vão morrer 5 mil agora e depois mais milhares e milhares por falta de saneamento, porque não terá segurança, por fome”.