Matriz e filial: as implicações da invasão ao Capitólio no Brasil. Por Kakay

Apoiadores de Trump no Capitólio. (crédito: ALEX EDELMAN / AFP)

Publicado originalmente no site Poder360

POR ANTÔNIO CARLOS DE ALMEIDA CASTRO, o Kakay, advogado criminalista

“Bates-me e ameaças-me,

agora que levantei minha cabeça esclarecida e gritei:

‘Basta’!

Armas-me grades e queres crucificar-me

agora que rasguei a venda cor de rosa e gritei:

‘Basta’!

Esvazia-me os olhos e condena-me à escuridão eterna….

-que eu, mais do que nunca,

;dos limos da alma,

me erguerei lúcida, bramindo contra tudo:

Basta! Basta! Basta!”

Noémia de Sousa

O Brasil deixou há tempos de ser o país do futuro. Transitou brevemente como uma potência em ascensão e ancorou no presente como um país que tem sido pária internacional. Sem credibilidade, sem respeito, sem charme, sem crédito, sem voz. Passamos a ser motivo de chacota e de desprezo em praticamente todas as áreas. Com um presidente sociopata, corrupto, genocida e profundamente ignorante, rodeado por uma família medíocre e por milicianos, o país começou a fazer água depois de ficar à deriva.

Um dos pontos que acalentava o sonho brega desta família, que envergonha a todos nós que sabemos distinguir o que é ridículo, era a pretensa proximidade com o fascista laranja que ainda governa os EUA. Não confundir o laranja artificial do Trump com os laranjas que enriquecem e sustentam a família presidencial brasileira. Tudo me remete ao Poema Sujo, de Ferreira Gullar:

“Um rio não apodrece do mesmo modo que uma perna

– ainda que ambos fiquem

com a pele um tanto azulada-

nem do mesmo modo que um jardim.

E como nenhum rio apodrece

do mesmo modo que outro rio

Mesmo porque

para que outro rio

pudesse apodrecer como ele

e misturasse seu cheiro de rio

ao cheiro de carniça

e tivesse permanentemente a

sobrevoa-lo

uma nuvem de urubus.”

No dia 6 de janeiro, parte dos americanos do norte deram um grito de liberdade contra a supremacia branca. No Estado da Geórgia, tradicionalmente racista e supremacista, um candidato democrata negro, Raphael Warnock, fez história e derrotou a bilionária republicana Kelly Loeffler. E esta eleição, que dá a maioria aos democratas no Senado norte-americano, mandou um sinal para o grupo do futuro presidiário Trump. Este recado foi sentido em Washington D.C.. À tarde, um bando de supremacistas brancos invadiu o Capitólio e mostrou ao mundo o lado folclórico destes americanos de quinta categoria, incultos, dominadores, despreparados, opressores e prepotentes. A América profunda ocupou o Congresso.

Foi impagável ver o Congresso norte-americano ser tomado por um bando de arruaceiros, sem nenhuma qualificação. E o melhor foi ver os poderosos soldados e guardas americanos, acostumados a invadir Congressos mundo afora, serem humilhados por um bando de idiotas, convocados e insuflados por um Trump com viés bolsominion, sem propósito senão a baderna como bandeira de resistência. Patético. O Trump e o Bolsonaro se merecem. São ridículos. Leio Drummond no poema “A Mesa”:

“Como pode nossa festa

ser de um só que não de dois?

Os dois ora estais reunidos

numa aliança bem maior

que o simples elo da terra.

Estais juntos nesta mesa

de madeira mais de lei

que qualquer lei da república.

Estais acima de nós,

acima deste jantar

para o qual vos convocamos

por muito-enfim – vos queremos e, amando, nos iludirmos junto da mesa

Vazia.”

Mas é bom que tenhamos a dimensão do que aconteceu e não falemos em golpe, no sentido literal da palavra. De golpe os EUA entendem muito. Sabem exatamente o que é e como fazer. É nítido que foi um claro atentado à democracia. Um acinte, um escárnio. Foi um golpe na credibilidade de um governo em agonia. Um golpe no líder de extrema direita desmoralizado e a caminho do fim, mas longe de ser um golpe na estrutura do país. Por mais bizarro que sejam os Estados Unidos, aqueles desmiolados que invadiram o Capitólio não chegaram a representar qualquer risco de ruptura institucional. Foi trincado o verniz que mantinha uma fachada democrática para aqueles que acreditam em democracia norte-americana. Isto não significa que nosso atabalhoado presidente, nosso Trump de araque, não vá tentar dar um golpe no futuro para se manter no poder e livrar da prisão ele e seus familiares.

No momento em que o mundo, perplexo, aturdido, acompanhava o vexame pela mídia internacional, o governo brasileiro resolveu disputar, de maneira tupiniquim, um espaço no vexame. Em rede nacional, o general que ousa, em plena pandemia, ostentar o título de Ministro da Saúde tentou explicar o que estes acéfalos farão para assegurar ao brasileiro o direito de vacinar. O pronunciamento foi a cara do governo: pífio, desconectado, sem dar segurança de quando efetivamente começará e qual o programa que nos dará um norte na vacinação. Deviam ler Pessoa no Livro do Desassossego:

“E quando a mentira começar a dar-nos prazer, falemos a verdade para lhe mentirmos. E quando nos causar angústia, paremos, para que o sofrimento nos não signifique nem perversamente prazer…”

O presidente genocida insiste que a melhor vacina é ser infectado e pegar o vírus para conseguir a imunidade de rebanho. Pouco importa para ele e seu bando quantos terão que morrer para isto. Afinal, vacina, máscara, lavar as mãos e outras precauções recomendadas pela ciência são coisas para boiolas e maricas. Se os 250 mil brasileiros que morreram, número  ainda subdimensionado, fossem atletas e machos como o servo do Trump, não teriam morrido.

Nesta semana, ao me referir à prisão da deputada britânica Margaret Ferrier, por ter viajado de trem entre Glasgow e Londres, estando infectada do vírus e tendo consciência disso, me questionei, num artigo chamado “Teje Preso”, por que o Brasil não toma nenhuma atitude digna em relação a este presidente genocida. Um presidente que cultua a morte, que despreza todas as regras da ciência, que nega a existência do vírus, que desdenha do uso da máscara afirmando que diminui a oxigenação no sangue e, pior, que usa o poder do cargo para fazer pregação pública contra a vacina. Ainda assim, o brasileiro assiste a tudo calado e inerte.

A quantidade de mortos, os hospitais superlotados, o cansaço dos agentes de saúde, esgotados e sem força, tudo ronda o nosso imaginário e nos alcança de forma acachapante. Sinto uma densa nuvem a nos envolver a todos, nuvem que ora nos   sufoca e tira a visão, ora parece nos embalar em um sopro de esperança. Não é possível que tanta dor, tanta angústia, tanto medo, não vão nos fazer ir além.

Se a necessidade de enfrentar este vírus que nos mata e este verme que nos governa não nos move, significa que a barbárie ganhou. Se a premência deste embate com destemor, seriedade científica, responsabilidade e determinação não nos levar a promover o impeachment deste fascista genocida, nós não teremos feito jus a uma sociedade minimamente solidária, justa e igual. Nós seremos cúmplices com estes que optaram pelo esgoto e pelo desprezo à dignidade.

O grito de liberdade contra a supremacia branca que saiu da Geórgia e o vexame que ecoou no Capitólio têm que ajudar a romper aqui os nossos grilhões. Nunca esperei nada destes americanos do norte, nem dos republicanos e tampouco dos democratas. Mas o ridículo deles me serve se aqui, ao meu lado, eu sentir o tremor que se faz presente nas pessoas quando saímos da opressão rumo à liberdade. Já passou da hora de levarmos o nosso país e a nós mesmos a sério. É se encontrar em Rainer Maria Rilke:

“Escuridão, minha origem,

amo-te mais que a chama

que é limitada,

porque só brilha

num círculo qualquer

fora do qual ninguém a conhece.

Mas a escuridão tudo abriga

figuras e chamas, animais e a mim,

e ela também retêm

seres e poderes.

E pode ser uma força grande

que perto de mim se expande.

Eu creio em noites.”

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!