“Fascismo, nunca mais”: milhares protestam em Roma pelo fim de partido de extrema direita

Manifestantes em Roma
Manifestantes durante ato em Roma em reação a episódios de violência de ativistas antivacina e de extrema direita – Foto: Remo Casilli/Reuters

Neste sábado (16), milhares de pessoas foram às ruas de Roma para pedir fim ao governo ações contra grupos neofascistas envolvidos nos protestos violentos contra o passaporte de vacinação.

Na semana passada, a polícia prendeu 12 pessoas, incluindo líderes do partido de extrema direita Força Nova, após milhares irem às ruas contra o “Passe Verde”, agora obrigatório a todos os trabalhadores.

Na ocasião, 38 agentes de segurança ficaram feridos e alguns grupos romperam barreiras policiais para chegar ao gabinete do premiê Mario Draghi, enquanto outros invadiram a sede do maior sindicato da Itália, a Confederação Geral Italiana do Trabalho (CGIL). Com informações da Folha.

Leia também:

1; VÍDEO: Omar Aziz diz que Braga Netto “com certeza” participava do “gabinete paralelo”

2; VÍDEO: Como um bom gado, apoiador compra todas revistas de Bolsonaro na IstoÉ e as rasga

3; Mãe de Medina fez ‘slut shaming’ ao julgar vida sexual de Yasmin Brunet

Protesto em Roma

Muitos dos que participaram dos atos levaram bandeiras da CGIL enquanto marchavam até a praça San Giovanni, um lugar associado historicamente à esquerda italiana.

Criado em 1997, o Força Nova é repetidamente acusado de usar violência contra imigrantes e policiais. Ao lado da sigla CasaPound, o partido é a principal organização neofascista em atividade na Itália.

No dia seguinte aos episódios de violência da semana passada, a legenda de centro-esquerda Partido Democrático apresentou uma moção no Parlamento pedindo ao governo de Draghi que dê um fim ao Força Nova e a todos os movimentos políticos de inspiração facista.

Organizadores dos protestos estimam que entre 50 mil e 60 mil pessoas tenham participado das manifestações. E, como costuma acontecer, os líderes das organizações envolvidas afirmam que a cifra foi ainda maior. Para Pierpaolo Bombardieri, chefe da CISL, a presença foi superior a 100 mil.