Militares criaram um problemaço: Não podem mais desembarcar. Por Gilberto Maringoni

General Braga Netto, novo ministro da Casa Civil, e o presidente Jair Bolsonaro

Publicado originalmente no perfil de Facebook do autor

A semana termina muito mal para Bolsonaro, com a saraivada de notícias que recebeu da realidade, pautada agora pelo andar da carruagem da CPI. A descoberta de duas quadrilhas concorrentes na saúde – uma do centrão e outra dos militares – torna a coalizão governamental quase inadmistrável. E sua imagem derrete, segundo as pesquisas.

LEIA – As Forças Armadas passaram o recibo. Por Gilberto Maringoni

O presidente não tem a menor condição de arbitrar essa briga de gangues, ambas pilastras estruturais de sua gestão. Se optar por um lado, perde outro. E o centrão dá mostras de ter começado a trincar, por obra e graça da provocação montada pelas Forças Armadas contra o Senado. A reação de Rodrigo Pacheco, na sexta, é prova viva do imbróglio. É coisa que contrasta com o capachismo ainda esperto de Arthur Lira.

LEIA MAIS – Maringoni: “Diante da matança de meio milhão de brasileiros, Elio Gaspari decide atacar… Lula”

As Forcas se meteram em camisa de onze varas. Não há notícias de uma desmoralização tão corrosiva como a enfrentada nesses dias.

A nota de quarta e a caricata entrevista do chefe da Força Aérea ao Globo, na sexta, apenas coroam a perigosa opção feita pela mais destrambelhada cúpula fardada da República. E olhem que a concorrência é acirrada.

Se a partidarizacao dos quartéis já era pedra cantada desde o tuíte do general Vilas Boas, há três anos, a entrada de seis mil militares no governo desmontou a idéia da farda como instituição de Estado. A condescendência do alto comando com a indisciplina do general Pazuello e o segredo de cem anos dos autos de seu processo levou os oficiais a uma viagem sem volta ao perigoso terreno da galhofa, imortal expressão de Stanislaw Ponte Preta.

Os militares criaram um problemaço institucional. Queimaram pontes e navios com a sociedade e não têm como e nem por onde desembarcar do governo. As FFAA deixaram de ser uma instituição e se tornaram um bando – por não seguirem disciplina alguma – a soldo de um governo rejeitado pela sociedade.

Nós estertores da ditadura, elas tiveram problema semelhante. Por serem governo, também não tinham como desembarcar. A partir da queda da ditadura, viveram um desgaste de três décadas. Só recuperaram prestígio político quando designados para a absurda missão ao Haiti, em 2004.

Pensemos no dia seguinte do bolsonarismo. Como gente que despreza e ameaça explicitamente a democracia poderá conviver com um governo democrático? Como poderão voltar a ser uma instituição de Estado depois dos arreganhos da semana? Como gente que alega ter uma moral inquebrantável conviverá com a percepção de que não passa de uma malta de larápios rastaquera?

O tuite de Felipe Neto ao comandante da FAB – “Vai ameaçar a puta que o pariu, babaca” – é a resposta direta ao grosseiro recado de Vilas Boas ao STF. É mil vezes mais educado do que a chantagem que levou a maioria de seus ministros a se borrar nas calças.

Militares hábeis criam situações de avanço e recuo medindo a realidade, o terreno, o contingente inimigo, seu próprio efetivo e o timing da tomada de decisões.

Sempre me lembro da magistral descrição da batalha de Austerlitz feita por Tolstoi em “Guerra e paz”. Por quase cem páginas, ele narra como Napoleão enfrentou em 1805 dois exércitos associados – o austríaco e o russo – com inferioridade de forças, mas com uso do elemento surpresa elevado à categoria de arte. Não lançou nota de ameaça, mas foi às vias de fato. Tolstoi estudou detalhadamente as condições do enfrentamento e passou dias no local, cinquenta anos depois, para compreender o que se passara.

Os altos oficiais brasileiros, dois séculos mais tarde, não conseguem entender sequer a direção do vento. Filhotes de Sylvio Frota, expoente da linha dura do regime ditatorial, perderam o calendário. Pensam estar em 1964 e arrotam uma força que não têm.

A hora do desembarque da nau bolsonarista passou. Seguramente tentarão radicalizar o tom da mazorca nas próximas semanas. Ameaçarão, rosnarão e falarão grosso. Mas não conseguirão esconder a opção feita. Trocaram de livre e espontânea vontade o slogan “Braço forte, mão amiga” por “Caguei”. A conta a ser paga será alta.

Como sempre repete meu amigo Cid Benjamin , citando provérbio chileno, “de lo ridículo no hay vuelta atrás”

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!