Moraes determina retorno imediato de Roberto Jefferson à prisão

Roberto Jefferson faz gesto da “arminha” com as mãos, a exemplo de Jair Bolsonaro. – Foto; Andressa Anholete/Getty Images

O ministro Alexandre de Moraes, do STF, negou o pedido da defesa e manteve nesta quarta-feira (13) a prisão preventiva do bolsonarista Roberto Jefferson. Moraes havia autorizado em setembro a transferência do político para o hospital Samaritano da Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio, onde passou por um cateterismo. Agora, o ministro determinou o seu retorno imediato à unidade prisional.

“Diante do exposto, comprovada a efetiva alta hospitalar, determino o imediato retorno de Roberto Jefferson Monteiro Francisco à unidade prisional em que se encontrava custodiado, devendo o Hospital Samaritano Barra enviar a documentação pertinente imediatamente a esta Corte. o custodiado deverá ser escoltado pela Polícia Federal, com a devida retirada da tornozeleira eletrônica”, diz trecho da decisão de Moraes.

Roberto Jefferson foi detido no complexo prisional Bangu 8 há cerca de dois meses por ameaçar ministros da Suprema Corte. Durante sua audiência de custódia, ele pediu que sua prisão fosse convertida em domiciliar por causa de problemas de saúde.

Leia também:

1; Em plena crise, Bolsonaro articula para cortar Bolsa Família de mais de 5 milhões de pessoas

2; Novo ICMS de Lira pode causar prejuízo bilionário a estados e municípios

3; Bolsonaro está vacinado contra a Covid, dizem aliados

Monitoramento eletrônico

Mais cedo, a defesa de Roberto Jefferson afirmou ao Supremo que não houve descumprimento das restrições impostas ao uso do monitoramento eletrônico. A manifestação se deu após Moraes dar prazo para que a defesa explicasse supostas violações.

“Não há falar-se em rompimento de cinta, a qual somente foi retirada para a realização dos exames, conforme previamente autorizado e constatado no próprio documento. A maior parte dos registros das supostas violações apontadas no relatório muito provavelmente se deram pelo fato de o peticionante estar constantemente dentro de um hospital, razão pela qual o GPS tenha apresentou mau funcionamento a partir de perdas de sinal ou outras anomalias”, disse a defesa.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!