‘Ninguém aguenta mais o PSDB em SP’: DCM acompanhou Boulos em visita a cidades do interior

Guilherme Boulos posa ao lado do Golzinho, em Jaú
Guilherme Boulos percorreu quase 2 mil quilômetros num Golzinho para falar com simpatizantes no interior de SP

Guilherme Boulos mandou dar um tapa no Celtinha. Fez motor, câmbio e trocou os quatro pneus.

Só que na hora ‘H’ o modelo 2010 do pré-candidato do PSOL ao governo de São Paulo apresentou problema nos rolamentos. A solução foi descolar um Golzinho de última hora.

O similar da Wolks aguentou o tranco e não decepcionou: Boulos rodou nesta semana quase 2 mil quilômetros pelo interior de São Paulo. Visitou e conversou com simpatizantes. Tema: a eleição estadual de 2022.

LEIA também: 

1. Boulos lança site para paulistas ajudarem a construir projeto para SP

2. CPI: Renan quer responsabilizar Bolsonaro por genocídio indígena

3. Saiba como será o #ForaBolsonaro em SP

Foi a Avaré, Botucatu, Bauru, Marília, Gália. Na volta, encontrou tempo para conhecer e bater um papo com correligionários em Jaú.

Em todas as cidades, o pré-candidato foi bem recebido.

Em Bauru, cidade administrada pela bolsonarista Suelen Rossim, Boulos bombou: reuniu-se com professores universitários, empresários, intelectuais, formadores de opinião. À noite, participou de um ato público lotado com militantes do partido e jovens, muitos jovens.

Em Botucatu, o encontro foi descrito como ‘quentinho e cheio de inspiração, diálogos valiosos, repletos de acolhimento, sabedoria e política consciente’.

Em Gália, visitou uma cooperativa de agricultura familiar que virou modelo no interior do estado.

Em Marília, a situação se repetiu, com agenda lotada composta em sua maioria pelo público jovem.

Boulos não está para perder tempo e acredita no desafio de levar o campo progressista a quebrar a hegemonia dos tucanos desde 94.

“São quase 30 anos do governo do PSDB no estado”, discursou em Jaú.

“O povo não aguenta mais. O resultado desse conluio, que ajudou no golpe de 2016, e na eleição de Bolsonaro, é o povo na fila do osso, passando fome”.

O pré-candidato lembrou que o governador João Doria é o criador do Bolsodoria. E que se hoje tenta se ‘vender’ como o pai da vacina até o ano passado falava em vender o Instituto Butantã.

“Cortou recursos da Fapesp, estrangulou as unversidades públicas’, disse.

Afirmou que a batalha do campo progressista no estado tem de focar na união dos partidos de esquerda e usou o exemplo da eleição nacional: ali o PSOL sentiu a gravidade do momento, com Bolsonaro, e entendeu que era momento de abrir mão de uma candidatura própria em nome de Lula.

Ninguém aguenta mais o PSDB em SP

“É o que estamos propondo agora”, disse Boulos, em Jaú. “A união para derrotar os tucanos. O resultado de quase três décadas do partido no estado é a desindustrialização, o sucatemente da escola pública, a redução do salários do funcionalismo e uma acomodação generalizada. É hora de mudar esse quadro, ninguém aguenta mais o PSDB no estado”.