Passaporte da vacina é suspénso no Rio: “liberdade de locomoção”

Vacina contra covid-19 – Foto: Reprodução

Nesta quarta (29), o desembargador Paulo Rangel do Tribunal de Justiça do Rio suspendeu o passaporte da vacina na cidade do Rio de Janeiro. Para ele, o decreto jamais “pode impedir a liberdade de locomoção de quem quer que seja por não estar vacinado”.

Foi suspensa apenas as medidas que proíbem a entrada de pessoas não vacinadas. Desde o dia 15, era preciso uma comprovação de vacina contra o coronavírus para frequentar estabelecimentos no Rio.

“O decreto permanece em vigor referente às outras medidas que não atingem a liberdade de locomoção, sendo permitido a todo e qualquer cidadão transitar livremente pelos locais citados no decreto independetemente de carteira de vacinação.” afirmou em sua decisão.

Leia também

1- TRE reconduz pastor ao comando do PTB do DF após alegação de falsificação da assinatura de Jefferson

2- Filha de segurado da Prevent relata ‘tratamento precoce’ sem consentimento

3- Mulher é fotografada nua dentro de delegacia no Rio

O que disse o desembargador

Para Rangel, o passaporte vacinal “divide a sociedade em dois tipos: vacinados e não vacinados”. O magistrado ainda diz que é “hipocrisia” “não perceber que o transporte público anda lotado de gente. Metrô, barcas, ônibus idem”.

“O Prefeito está dizendo quem vai andar ou não pelas ruas: somente os vacinados. E os não vacinados? Estes não podem circular pela cidade. Estão com sua liberdade de locomoção cerceada. Estão marcados, rotulados, presos em suas residências. E por mais incrível que pareça tudo isso através de um decreto”, disse.