Por trás das mentiras e ironias de Queiroga contra a vacina está o desejo de acabar com o SUS

O ministro da Saúde e Bolsonaro em live
O ministro da Saúde e Bolsonaro em live

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, é hoje a figura do governo que mais se aproxima da delinquência de Bolsonaro.

Basta ver a sua conduta ao fazer a defesa da suspensão de vacinas, usando irresponsavelmente a OMS para sustentar uma mentira contra a imunização de adolescentes.

Leia também:

1 – Ministro não esperava repercussão negativa com suspensão de vacina para adolescentes

2 – JBS oferece churrasco para atrair funcionários à unidade e tentar fazê-los trabalhar no domingo

3 – Estudo criminoso da Prevent Senior foi solicitado por Bolsonaro, diz senador

Na live com o mandatário na quinta, entre ironias e risadas (falou até em remédio para disfunção erétil), desmereceu a Coronavac, detonou o uso  de máscara e até lembrou o “jacaré” – uma referência à piada de Bolsonaro sobre o risco de alguém virar animal caso tomasse vacina.

Estamos falando do ministro da Saúde em plena pandemia, num momento em que o país se aproxima das 600 mil mortes por Covid.

Precisa dizer mais?

Sim, porque a sanha no ministro no seu objetivo de destruir o país não para. Ele quer acabar com o SUS.

Queiroga se reúne com Roberto Campos Neto

Queiroga estuda a criação do que intitulou de “open health”, um modelo do “open banking“ visando estimular o sistema de saúde privado.

Orgulhoso, tem espalhado que está se reunindo Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, para tratar do assunto.

A ideia central é estimular a concorrência no setor privado.

Na transmissão, brincando com Bolsonaro, Queiroga olhou o resultado de um exame do mandatário de anticorpos para o coronavírus e diagnosticou:

— O senhor está bem, mas precisa se vacinar.

O povo brasileiro é que precisa se vacinar contra essa gente.