Quem é Naji Nahas, o picareta que Temer escolheu para juntar amigos e zombar das hemorroidas de Bolsonaro

Marinho imita Bolsonaro e arranca gargalhada de Temer. Foto: Reprodução
O Brasil de fato não é para amadores.
Menos de uma semana após salvar a pele de Bolsonaro com uma insossa cartinha de trégua ao ministro Alexandre de Moraes, do STF, Michel Temer juntou um grupo de amigos para tirar sarro do capitão (veja o vídeo no final do artigo).

LEIA também: 

1. Temer diz que chance de 3ª via em 2022 é “complicada”

2. Criação de jogos de azar cria conflito entre governo e bancada evangélica
3. Deputado tucano diz que PSDB não deve fazer oposição a Bolsonaro
Escolheu o apartamento de um patrício, Naji Nahas, que, como o golpista, não é alguém a quem você deveria confiar sua carteira.
Empresário de origem libanesa como Temer, criado no Egito, Nahas fez  fortuna no Brasil especulando e dando golpes no mercado financeiro.
Seu nome ficou conhecido nacionalmente em 1988, quando adquiriu uma imensa quantidade de ações da Petrobras, aproveitando que o seu valor estava baixo.
Porém, ele negociava as ações consigo mesmo, fazendo uso de empréstimos bancários, laranjas, inflando as cotações. Tudo de forma ilegal.
Durante meses, manteve seu plano, tornando-se milionário. Descoberto, teve sua carteira de ações confiscada pela Bovespa.
A maracutaia levou à quebra da Bolsa de Valores do Rio de Janeiro, que nunca mais se recuperou.
Nahas acabou preso.
Alegou que a quebra da bolsa do Rio foi provocada pelas decisões da direção do órgão, jogando a culpa nas costas de economistas. Voltou a ser preso em 2008 junto de outros investidores, entre eles, o banqueiro Daniel Dantas.
Também tem envolvimento com corupção e desvio de verbas públicas, lavagem de dinheiro e corrupção.
Como jamais honrou suas dívidas com o fisco, teve seu passaporte confiscado, assim como seus cartões de crédito. Até sua carteira de motorista foi confiscada.
Nahas voltou às manchetes em 2012, no caso Pinheirinho.

Seu nome estava associado ao caso de reintegração de posse de área que abrigava mais de 1500 famílias na cidade de São José dos Campos.

Na época, a retirada dos moradores do local pela Polícia Militar de São Paulo e a Guarda Municipal foi violenta, causando repercussão nacional.
A explicação para seu envolvimento neste caso é que o empresário era credor da massa falida da empresa, que era proprietária do terreno abandonado onde as famílias moravam há mais de oito anos.

 

 

 

Temer e Nahas levam a vida no desvio

Que o golpista Temer seja parceiro de Nahas não há novidade alguma.
Ambos levam a vida no desvio, amealhando moedas com golpes em série.
O que chama a atenção desta vez é o escracho: o golpista usou o parceiro para um jantar cujo prato principal eram as hemorróidas de Bolsonaro.

Veja quem são os convidados que aparecem no vídeo:  Michel Temer;
Paulo Marinho, suplente de Flávio Bolsonaro; Gilberto Kassab; Johnny Saad, presidente da Band; Roberto D’Ávila; Antonio Carlos Pereira, ex-editorialista do Estadão; Naji Nahas, o anfitrião; Raul Cutait, do Sírio-Libanês, e  José Yunes.