Renan Santos, cofundador do MBL, é acusado por modelo de tentativa de estupro; mulher se retratou

Renan Santos do MBL
Renan Santos do MBL. Foto: Reprodução/YouTube

Renan Santos, cofundador do Movimento Brasil Livre (MBL), foi acusado por uma modelo por tentativa de estupro.

A reportagem do DCM teve acesso à cópia do boletim de ocorrência lavrado na 1ª Delegacia da Mulher, em São Paulo. O nome dela é preservado por questões legais.

Em junho deste ano, diz o documento, durante um passeio de carro, após um beijo, ele a teria atacado: tirou sua calça, puxou a calça e a calcinha, forçando a penetração que, segundo narrado no boletim de ocorrência, só não aconteceu integralmente pelo fato dela estar usando um absorvente íntimo.

De acordo com o relato da vítima, depois de sua recusa ele insistiu dizendo “Você vai querer sim”, além da acusação de ter apertado seu pescoço e desferir-lhe um tapa no rosto.

Ela afirma que também era torturada psicologicamente, com ameaças de “sumir e nunca mais voltar”, aproveitando sua vulnerabilidade, visto que passava por “tratamento psiquiátrico”.

Leia mais:

1Temer participa de evento com empresários do mercado financeiro

2 – Recuo de Bolsonaro faz impeachment esfriar no Centrão

3 – Bolsonaro resistiu à carta de pacificação de Temer: “O cara quer prender meu filho”

Renan Santos e o MBL

O MBL, criado inicialmente para ser um defensor das reformas neoliberais, mudou sua estratégia de atuação e tornou-se um grupo que defende pautas conservadoras no campo dos costumes.

Quando ainda pertencia ao grupo, o vereador Fernando Holiday defendeu publicamente que mulheres vítimas de estupro só tivessem o direito ao aborto mediante a apresentação do boletim de ocorrência.

Não houve ainda desdobramento judicial. Renan dos Santos responde por ações judiciais entre processos cíveis, trabalhistas e criminais, mas até então, nenhuma demanda envolvendo esse tipo de delito.

O DCM entrou em contato com o MBL e a assessoria respondeu que outro boletim de ocorrência foi lavrado sobre o tema. Nele, a modelo retirou a acusação.

“Conforme demonstrado no segundo Boletim de Ocorrência, não houve qualquer abuso ou crime de estupro na relação com Renan Santos. A própria desmentiu e disse que foi levada ao equivoco por um parente”, afirma a nota enviada ao DCM.

Trecho do boletim de ocorrência