Senadores de direita criticam Fakhoury por ataque homofóbico a Contarato

Contarato recebeu apoio até de senadores de direita
Otávio Fakhoury e Fabiano Contarato na CPI da Covid. Foto: Reprodução

Até senadores de direita criticaram Otávio Fakhoury por ataque homofóbico contra Fabiano Contarato. O bolsonarista Marcos do Val, por exemplo, também do Espírito Santo, defendeu o parlamentar. Durante a CPI, ele afirmou ao empresário: “Vergonha de ter pessoas como você como brasileiro”.

Eleitores o atacaram por aplicativos de mensagem, segundo a coluna de Lauro Jardim no Globo. Eles dizem que o senador deveria ter ficado calado e ameaçaram não votar mais nele. Em resposta, Do Val rebateu: “Não ter o voto de quem não respeita a dignidade humana será uma honra”.

Leia também:

1 – Michelle manda Caixa liberar empréstimos para empresas de bolsonaristas e amigos

2 – Demitido da CNN por mentir ao vivo, Alexandre Garcia faz comentário sobre fake news

3 – Carlos perde espaço ao lado de Bolsonaro após denúncias: “Tem que ficar quietinho pra não me queimar”

Soraya Thronicke, senadora de direita, também criticou o bolsonarista

A senadora Soraya Thronicke criticou o ataque homofóbico de Otávio Fakhoury a Fabiano Contarato durante a CPI da Covid. “É por causa desses pseudoconservadores e pseudodireitistas, como o senhor, que a verdadeira direita, a direita racional, está sendo descredibilizada por completo”.

Ela diz que o empresário bolsonarista é um “infiltrado” e afirma:

“Não quero me misturar com essa laia”.

Senadores estavam defendendo Contarato, que se posicionou sobre ataque homofóbico

Nesta quinta (30), Fabiano Contarato teve a cadeira da presidência da CPI da Covid para responder a um ataque de Otávio Fakhoury. Pelo Twitter, o empresário bolsonarista zombou da sexualidade do senador.

Ele apontou um erro de escrita do parlamentar, que escreveu “fragrancial”, e afirmou: “O delegado, homossexual assumido, talvez estivesse pensando no perfume de alguma pessoa ali daquele plenário… Quem será o ‘perfumado’ que lhe cativou?”.

Em resposta, Contarato criticou a imaturidade do bolsonarista e lembrou que o Supremo, que ele quer “extinguir”, tornou homofobia crime.

O senador pediu para Polícia Legislativa investigá-lo por homofobia, mas afirmou: “Não vai ser responsabilidade penal, não vai ser responsabilidade civil, não vai ser nenhuma responsabilidade administrativa que vai tirar a dor que o senhor me causa, que o senhor me ocasionou”. Veja: