Tabata Amaral e Márcio França racham PSB por não quererem apoiar Lula

Márcio França e Tabata Amaral
Tabata Amaral se filiou ao PSB e Márcio França estava presente – Foto: Reprodução

Tabata Amaral já deixou claro que quer um nome para “terceira via” em 2022. Márcio França segue aliado de Geraldo Alckmin e, provavelmente, será vice dele para o governo de SP. Os caminhos tomados pelo PSB em São Paulo têm incomodado líderes da sigla em outras regiões.

No Rio de Janeiro, por exemplo, Marcelo Freixo tem defendido que é preciso formar uma frente ampla para derrotar Bolsonaro. E o ex-psolista é favorável ao nome de Lula como líder da chapa. E aliados da legenda em terra carioca não discorda do deputado federal.

No Maranhão, Flávio Dino nunca escondeu sua admiração pelo ex-presidente. Antes do petista recuperar seus direitos políticos, uma ala do PT chegou a cogitar convidar o governador para se filiar ao partido. E ser o candidato ao poder executivo federal em 2022. Por causa dessa relação, ele apoiará Lula no ano que vem.

Em Pernambuco, Paulo Câmara sinalizou que quer conversar com o Partido dos Trabalhadores. Inclusive, Lula chegou a viajar para o estado e conversou com lideranças do PSB. A tendência é que as duas siglas voltem a formar aliança na região.

Leia mais:

1 – “Jovem Klan” bomba nas redes como próximo destino do negacionista Alexandre Garcia

2 – Demitidos: TV Cultura rescinde contrato com o Manhattan Connection

3 – O plano B de Mourão se for ‘chutado’ por Bolsonaro

PSB em conflito por causa de Tabata Amaral e Márcio França

Mas os posicionamentos de Tabata e as alianças formadas por França em São Paulo podem dificultar as negociações. O ex-governador paulista já deixou claro que uma coisa não prejudica a outra. Na visão dele, parcerias nos estados não interferem na aliança nacional.

Ele relembrou 2014. Na época, Marina Silva era candidata a presidência da República pelo PSB e enfrentou Aécio Neves, que era do PSDB. Em compensação, França e Alckmin ganharam a eleição de SP.

França também tem destacado que em 2018 o PSB foi independente. Isso facilitou para os diretórios estaduais, que fizeram suas coligações com maior tranquilidade. E o ex-governador aponta que o partido precisa focar nos governos e não no Planalto.

Já Tabata Amaral tem dado suas opiniões e não pretende abrir mão das suas convicções. Caso o PSB decida fechar com o PT nacionalmente, ela usará os argumentos de derrotar Jair Bolsonaro.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!