Uma questão de coerência (e decência). Por Eric Nepomuceno

Marcelo Queiroga e Jair Bolsonaro (Foto: Alan Santos/PR)

Quando no fim de março Marcelo Queiroga foi chamado para suceder no ministério da Saúde o general da ativa Eduardo Pazuello, cúmplice eficaz do genocídio levado adiante por Jair Messias, alguns destacaram o fato de ele ser médico cardiologista.

Ou seja, era alguém do ramo sucedendo a quem ao assumir sequer tinha ideia do que era o Sistema Único de Saúde, o SUS.

Além disso, depois da imunda subserviência de um general da ativa do Exército diante de um capitão da reserva com péssimos antecedentes em seus tempos de caserna, um médico talvez significasse uma mudança nos rumos do governo. Por menos profunda que fosse, diante da catástrofe levada a cabo por Pazuello e a cambada de militares por ele espalhada pelo ministério, qualquer mudança seria bem-vinda.

Demonstrando cintura de praticante de bambolê, Queiroga tratou de oscilar buscando algum equilíbrio entre o respeito mínimo à ciência e os delírios demenciais de Jair Messias.

Além de não querer contradizer abertamente as aberrações cotidianas expelidas pela boca presidencial, dava a entender sua intenção de preservar espaço para levar adiante medidas eficazes tanto na distribuição de vacinas compradas com atraso criminoso como na divulgação da necessidade premente de se adotar medidas preventivas.

Chegou a dizer que um grupo de estudos do ministério examinava a questão de uma das obsessões mais alucinadas de Jair Messias, a tal da cloroquina, e parou por aí. Quando o presidente reiterou seus ataques contra o uso de máscaras, acrescentou que outro grupo estudaria a questão.

Ou seja, dava a impressão de que não entraria em confronto com seu chefe, mas trataria de não cair no pântano defendido por ele.

Isso, até a quarta-feira, dia 18 de agosto de 2021.

Nesse dia ele aceitou dar uma entrevista a um site bolsonarista que está sendo investigado por espalhar mentiras. Para piorar, o mais radical dos sites financiados sabe-se lá por quem, e que distribui imundícies para uma vasta e alucinada audiência se seguidores fanatizados do Genocida.

Na entrevista, Queiroga exibiu uma virada olímpica em sua atitude. Se quando compareceu à CPI do Genocídio anunciou, todo pimpão, que havia determinado o uso obrigatório de máscara no ministério da Saúde, agora se declara contra a obrigatoriedade do seu uso. Diz que, em vez de obrigar, é melhor “conscientizar a população”.

E foi mais longe em sua adesão ao bolsonarismo mais radical; criticou quem questiona a volta às aulas presenciais. Ainda debochou da necessidade de vacinar os professores antes de adotar essa medida.

Suas declarações provocaram um espanto primeiro, e um terremoto depois, nos meios médicos e científicos. Da mesma forma que não se esperava que ele confrontasse abertamente Jair Messias, não se esperava que exibisse de repente uma submissão especialmente gritante.

Leia também

1- Fachin será o relator de processo de Bolsonaro contra o próprio STF

2- Bolsonaro é novamente condenado e terá que indenizar jornalista por mentiras em R$ 10 mil

3- “A gente não tem medo de prisão”, diz Eduardo Bolsonaro, pronto para a cana

Coerência (e decência)

No fundo, porém, trata-se de uma exibição de coerência. Entre o que diz a ciência e o que diz o mandatário. Cada vez mais escancara um eloquente desequilíbrio sem volta. Queiroga optou pela cumplicidade e a submissão. Se uniu aos seus colegas de governo.

Ainda que de maneira menos escandalosa que seus pares de ministérios, confirmou que sem exceção alguma, nenhum – nenhum – dos que cercam Jair Messias vale coisa alguma.

São todos cúmplices da imensa maioria das quase 580 mil vidas ceifadas pela pandemia. Seja em maior ou menor medida.

(Texto originalmente publicado em JORNALISTAS PELA DEMOCRACIA)


Queiroga e a terceira dose

Queiroga afirmou que a terceira dose deve acontecer só após o avanço da imunização com a segunda dose no Brasil.

De acordo com o ministro, o governo federal já considera que a terceira dose é necessária.

“Já há um consenso que será necessária a terceira dose. Sobre como fazê-la, o ministério contratou um estudo onde nós testamos indivíduos imunizados com duas doses. Nós teremos essas respostas no final de outubro, começo de novembro. Se antes disso houver dados científicos e nós tivermos disponibilidade de doses, aí podemos antecipar essa terceira dose. Só que para antecipar a terceira dose, eu preciso avançar na segunda dose”, disse Queiroga.

A previsão do governo é de que a população adulta termine de ser vacina com a primeira dose em setembro. Em outubro, 75% deve estar vacinada com a segunda dose, segundo o ministro.

“[Em outubro] já teremos um grande contingente vacinado com a segunda dose e já teremos as respostas da ciência para aplicar a terceira dose”

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!