“Virou alvo de críticas do lixo do partido”: por que Doria está condenado a perder as prévias do PSDB

Doria dança em evento do PSDB no Piauí
Doria dança em evento do PSDB no Piauí

De favorito a azarão, Doria agora virou motivo de piada no PSDB.

A última é a história de ter enviado Carlão Pignatari, seu aliado e presidente da Assembleia Legislativa, ao Piauí para convencer deputados a sufragar o nome do gestor nas prévias em 21 de novembro, quando o PSDB vai definir o nome de seu candidato à presidência em 2022.

Leia também: 

1. VÍDEO: Doria se irrita e tenta censurar entrevistadora ao ser perguntado sobre “traição” contra Alckmin

2. Em reunião, Guedes se descontrola e chama ministro astronauta de “burro”

3. Carla Zambelli repete Estadão e usa ‘diabo’ em discurso de ódio contra Lula

Doria concorre com o governador Eduardo Leite, do Rio Grande do Sul, e o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio.

Mandar Pignatari atravessar o país para catar voto no Piauí é a demonstração cabal, segundo tucanos, do isolamento de Doria.

De início, quando posava de favorito, o gestor apostava em Cesar Gontijo, atual tesoureiro do diretório nacional, para percorrer o país em busca de apoio.

Gontijo fracassou.

Deputados e lideranças políticas nos Estados recusaram-se a tratar com um auxiliar de terceiro escalão, e foi  neste momento que o castelo de areia montado pelo gestor começou a ruir: o partido descobria enfim que ele estava rodeado apenas de gente sem qualificação e que a sua candidatura à presidência representava apenas um sonho particular, não o coletivo de um partido que já esteve e move mundos para retornar ao poder central.

Doria vai para o lixo da história

“Doria virou alvo de críticas do lixo do PSDB”, disse ao DCM um tucano histórico que pede anonimato. “Ele perdeu apoio dos bons quadros e agora está perdendo também dos mais desqualificados. O lixo do partido está começando a bater nele”.

Aparentemente, tirando mico e as declarações preconceituosas, a viagem de Pignatari ao Piauí não rendeu frutos.

O presidente da Alesp foi recebido no estado pelo deputado Marden Menezes.

Ocorre, porém, que Menezes é ligado a Silvio Mendes, que vai concorrer ao governo do Estado, e que já declarou apoio ao governador do Rio Grande do Sul.

Doria, que isolou o PSDB de seus princípios doutrinários, levando o partido para a extrema-direita, está só e virou alvo de ressentimento e desprezo.

Participe de nosso grupo no WhatsApp clicando neste link.

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link.