Carla Zambelli repete Estadão e usa ‘diabo’ em discurso de ódio contra Lula

Ilustração mostra Lula ao lado do diabo e Bolsonaro ao lado de Jesus
A bolsonarista seguiu na linha do Estadão e precisa ser processada

Carla Zambelli desceu no seu nível mais baixo.

A deputada bolsonarista postou em suas redes sociais o presidente Bolsonaro ao lado de Jesus e Lula ao lado do diabo.

Indício do desespero que tomou conta do grupo de Bolsonaro com o fracasso do governo e a adesão cada vez maior da sociedade a um programa de recuperação do país comandado pelo ex-presidente.

“A luta do bem contra o mal nunca ficou tão evidente”, comentou a deputada. “Escolha o seu lado”.

O PT ainda não informou se pretende processar a bolsonarista pela manipulação religiosa, considerando que o Brasil é um estado laico e esse é um uso do sentimento religioso de forma abusiva.

De todo modo, vale dizer que Zambelli não está sozinha.

No domingo, 24, o Estadão também apelou ao dar sinais de desespero com a iminente vitória de Lula em 2022.

Atacou o ex-presidente em editorial intitulado “O diabo não desiste”.

Zambelli e Estadão dão as mãos num momento crucial para o Brasil, com crise sanitária, econômica e institucional.

Leia também:  

1. Em reunião, Guedes se descontrola e chama ministro astronauta de “burro”

2. Quanto Allan dos Santos arrecadou após pedido de doações com fim do Terça Livre

3. Pazuello passa um ano e meio hospedado em hotel e irrita generais do Alto Comando

A deputada mostra do que é capaz para manter na presidência um genocida cruel. O jornal para evitar a ascensão de um governo popular e manter os privilégios de uma pequena elite.

Isso tudo porque 2022 ainda nem chegou.

Zambelli é indiciada no relatório da CPI da Covid

Carla Zambelli é uma das indiciadas no relatório da CPI da Covid, aprovado nesta terça (27) no Senado Federal.

Ela reclamou que gostaria de ter sido ouvida pelos senadores. E que seu indiciamento se refere a comentários, como esse envolvendo Lula e Bolsonaro, nas redes sociais.

Negacionista, a bolsonarista sempre defendeu o tratamento precoce que causou um morticínio no país durante a pandemia. “A CPI não me ouviu em nenhum momento”, reclamou Zambelli.

Cá entre nós: precisa?

Participe de nosso grupo no WhatsApp clicando neste link

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link