Não foi pelo Brasil: Zé Trovão se entregou com promessa de habeas corpus

Zé Trovão num caminhão e a bandeira do Brasil atrás
Zé Trovão se entregou pela promessa de que seria solto – Foto: Reprodução

O bolsonarista Zé Trovão decidiu se entregar à Polícia Federal hoje (26). Ele divulgou um vídeo em canais do Telegram dizendo que estava tomando a atitude ‘pelo Brasil’. Mas não foi pelo Brasil, como apurou o DCM, houve um motivo muito específico para o caminhoneiro se entregar. Ele recebeu uma promessa que não ficará muito tempo preso.

Segundo uma fonte ligada ao grupo radical de Bolsonaro, a prisão de Zé Trovão foi planejada. Enquanto estava fora do Brasil, no México, o caminhoneiro entrou em contato com políticos importantes. “Ele falou com dois ministros, um deputado e um senador”, comentou um aliado que pediu para não ser identificado. E conseguiu uma promessa importante de que haverá um habeas corpus.

Quem fez a promessa não se sabe ao certo, mas sabe-se que, ao menos um ministro do governo e um senador concordaram. Nos últimos dias, esses dois políticos falaram com advogados e também fizeram sondagens junto ao STF. O interesse era saber como evitar que Zé Trovão ficasse muito tempo preso e, se possível, até não ir para a cadeia.

Leia também:

1 – Barroso diz que fala de Bolsonaro que vincula vacinas à Aids é um “absurdo”

2 – VÍDEO – Bolsonaro expõe crianças venezuelanas e diz que esquerda é culpada pela fome

3 – Negacionistas espalham cartazes dizendo que Covid é “presente comunista” de partidos de equerda

Zé Trovão vai ficar preso?

Nessas conversas, houve uma resposta clara de um ministro do STF. O recado para o caminhoneiro foi bastante específico. “Com ele fugitivo, não há negociação”. A partir daí, a dupla passou a negociar com o próprio Zé Trovão e com os advogados seu retorno ao Brasil. Mas ele foi orientado a não ser preso na entrada porque viraria uma vitória da PF e não algo de boa vontade.

Diante disso, o próprio senador teria ajudado Zé Trovão a burlar a segurança e entrar no Brasil por via terrestre. “É mais fácil pela terra porque o controle está com as Forças Armadas”, afirmou o aliado. Assim, o caminhoneiro voltou ao país e passou a negociar diretamente com os advogados o momento da entrega.

Ele, então, preparou um vídeo e anunciou que finalmente seria preso. O gesto, como avisaram os senadores e o ministro de Bolsonaro ao STF, é uma amostra de boa vontade. Diante disso, a expectativa é que o Supremo permita uma prisão domiciliar a ele nos próximos dias. Nos bastidores do STF, no entanto, não existe essa certeza de que a prisão será revertida. “Ele merece uma lição”, comentou um ministro com o colega Alexandre de Moraes.

Participe de nosso grupo no WhatsApp clicando neste link

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link