Alckmin cresce 7 vezes nas redes após ser cotado como vice de Lula

Atualizado em 31 de janeiro de 2022 às 9:04
A imagem de Geraldo Alckmin
Geraldo Alckmin (foto: AFP / EVARISTO SA)

Cotado como vice numa chapa presidencial com Lula (PT), o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (sem partido), está com um crescimento acentuado nas redes sociais desde que se desfiliou do PSDB, diz o jornal O Globo.

LEIA MAIS:

1 – Ciro diz que não votará em Lula no 2º turno: “Remember 2018”

2 – Vídeo que diz que Japão abandonou vacinas para usar ivermectina é fake

3 – Fala de chefe da FAB mostra que no mundo não há espaço para golpe pangaré. Por José Cássio

Alckmin pop nas redes

Ele saiu do partido no fim de 2021, para estreitar a ideia da parceria eleitoral com o ex-presidente. De acordo com um levantamento da Bites, a pedido do jornal, o ex-governador ganhou 14,3 mil novos seguidores entre 15 de dezembro, data em que deixou a antiga legenda, e a última quinta (27).

No período de 45 dias anterior à desfiliação, o saldo de novos seguidores havia sido de 1,8 mil. O crescimento mais recente, sete vezes maior do que período anterior, também entra em contraste com o comportamento de Alckmin nos últimos três anos nas redes.

Desde a derrota na eleição presidencial de 2018, Alckmin praticamente não vinha fazendo publicações, tampouco aumentando o número de seguidores.

Crescimento do ex-tucano superou o de outros nomes cotados para chapas presidenciais, como os atuais ministros do governo Bolsonaro, Tereza Cristina (DEM), da Agricultura, e Braga Netto, da Defesa; e Marina Silva (Rede), sondada por Ciro Gomes (PDT).

A hipótese de uma chapa com Lula também levou Alckmin a ser alvo de críticas de diferentes segmentos do espectro político, especialmente de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL).

No total, segundo o levantamento, o debate em torno da possível chapa Lula-Alckmin movimentou 241 mil tweets desde o dia 19 de dezembro, a maioria consistindo em ataques por parte de bolsonaristas. Também houve focos de resistência entre opositores do governo.

Participe de nosso grupo no WhatsApp clicando neste link

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link