Foragido, Allan dos Santos critica Brasil de Bolsonaro: “Virou um país comunista”

Allan dos Santos Bolsonaro comunista
Allan dos Santos reclamou do Brasil de Bolsonaro

Allan dos Santos está muito irritado com o país governado pelo presidente Jair Bolsonaro. Isto porque o site dele está funcionando, mas muitas pessoas que vivem no Brasil não conseguem acessá-lo. Por conta disso, ele resolveu esbravejar no seu perfil do Telegram.

“O meu site está funcionando. Se você não acessa é porque o Brasil virou um país COMUNISTA”, escreveu o blogueiro. Não é a primeira vez que ele se manifesta contra as instituições do país. Seus maiores alvos são o Supremo Tribunal Federal e o ministro Alexandre de Moraes.

No mês passado, ele chamou Moraes de “Cabeça de Piroca” e reclamou de “perseguição”. Allan repercutiu a notícia sobre a Interpol não ter incluído bolsonaristas na lista de procurados internacionalmente. Ele ainda aproveitou para alfinetar o ex-juiz Sergio Moro.

Nos últimos meses, Allan sofreu diversas derrotas na Justiça. O Terça Livre perdeu recursos financeiros depois que o STF bloqueou o dinheiro de monetização do site. Não por acaso, ele decretou falência do seu espaço virtual.

Leia mais:

1 – Relatório que criminaliza disseminação em massa de fake news é aprovado

2 – Terrivelmente evangélico: quem é André Mendonça, o novo ministro do STF

3 – Malafaia se empolga com aprovação de Mendonça, desliza no português e ameaça Alcolumbre

Allan dos Santos tentou reverter decisão, mas fracassou

Allan dos Santos entrou com um pedido de mandado de segurança para que suas contas bancárias fossem desbloqueadas. O Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que a Procuradoria-Geral da República se manifestasse sobre o assunto. E a subprocuradora, Lindôra Araújo, foi contra o blogueiro bolsonarista.

“A jurisprudência desta Suprema Corte é uníssona no sentido de afirmar incabível mandado de segurança contra ato judicial por ela própria emanado, inclusive aqueles proferidos por seus Ministros, salvo nas hipóteses de teratologia, ilegalidade ou abuso flagrante”, diz trecho da argumentação.

Participe de nosso grupo no WhatsApp clicando neste link.

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link.