Ministros do STF não desconfiavam de infiltrada de Allan dos Santos

Allan dos Santos
Allan dos Santos no Senado Federal. Foto: Alessandro Dantas/PT no Senado

A estagiária do gabinete de Ricardo Lewandowski, Tatiana Garcia Bressan não despertou desconfiança na Corte. Ela era infiltrada de Allan dos Santos e atuava como informante de Allan dos Santos. Eles descobriram a motivação só após os diálogos com o blogueiro bolsonarista serem revelados.

Tatiana costumava ficar até mais tarde no gabinete, mesmo tendo horário reduzido de trabalho, segundo a coluna de Mônica Bergamo na Folha. À época em que estagiava, a atitude era vista como disciplina e vontade de trabalhar. Hoje, no entanto, eles acreditam que ela passava mais tempo no gabinete par colher mais informações. Allan é investigado no inquérito das fake news e dos atos golpistas.

Todos na Corte sabiam que ela era conservadora, casada com um empresário e fazia postagens bolsonaristas nas redes. No entanto, nunca suspeitaram que ela repassasse informações a pessoas externas.

Leia também:

1 – Centrão fritou Guedes e votou pela convocação de ministro: “Esse já era”

2 – Moro pretende acompanhar depoimento de Bolsonaro e pensa até em interrogar presidente

3 – Auxiliar de Mário Frias diz que é ‘dono’ da Lei Rouanet e justifica demissões em massa: “Não produz”

Infiltrada de Allan dos Santos usou Twitter para atacar ministro que a empregou

Após ser proibida por seu chefe de fazer publicações no Twitter, Tatiana criou o perfil @visittabb. Na rede social, a bolsonarista ataca ministros da Corte que a empregou entre 2017 e 2019. Os principais alvos, claro, Alexandre de Moraes e Roberto Barroso. Em junho do ano passado, ela entrou na onda de ataques a Moraes, chamando-o de “cabeça de ovo”. Também disse que ele tem “atitudes antidemocráticas e inconstitucionais”.

Tatiana atacou o ministro que a empregava enquanto estagiava. Seu estágio durou entre 19 de julho de 2017 e 20 de janeiro de 2019. Em setembro de 2018, ela criticou Lewandowski na rede social, sugerindo que ele interpretou lei “para favorecer Lula”.

Depois de deixar o estágio, ainda chamou o magistrado de “FDP” e sugeriu que ele deveria “ser afastado imediatamente”. “Alguns ministros do STF deveriam ser afastados imediatamente como fizeram agora com o Ramagem pq o Marco Aurélio é primo de Collor. Lewandowski era amigo de Dona Marisa. Toffoli foi advogado de Lula. Alexandre de Moraes é amigo de Temer”, escreveu ela em 2020.