Em fúria, Bolsonaro detona Moro: “Palhaço, sem caráter”

Bolsonaro detonou Moro
Bolsonaro criticou Sergio Moro

O presidente Bolsonaro ficou muito irritado com a fala de Moro e rebateu o ex-ministro nesta quinta (2). O chefe do executivo federal foi acusado pelo ex-juiz de comemorar a soltura do ex-presidente Lula.

“Um assunto que eu não queria tocar aqui porque mexe com ex-ministro, mas esse cara está mentindo descaradamente. E o cara quer ser candidato. É um direito dele. E em vez de ele mostrar o que ele fez [durante o governo], ele fica só apontando dedo para os outros e mentindo. É o caso do Sergio Moro aqui”, comentou.

“A última notícia dele é: ‘Bolsonaro comemorou quando Lula foi solto, diz Moro’. E no vídeo ele fala ‘ouvi dizer’. É um papel de palhaço, um cara sem caráter”, continuou o presidente.

“Está se comportando como jornalista da Folha de S.Paulo ou do Antagonista. Aprendeu rápido, hein, Sergio Moro? Aprendeu rápido com a velha política. Pelo amor de Deus, cara. Falta de caráter. Saiu pelo governo pelas portas dos fundos, traindo a gente”, acrescentou.

Leia mais:

1 – Lula dá razão para Mano Brown: “O lugar do PT é na periferia”

2 – Saiba onde Carluxo assistiu a sabatina de André Mendonça

3 – Médico é responsável por invadir sistema do SUS e fazer apologia ao nazismo em perfil de Átila

Moro acusou Bolsonaro

Em entrevista à Jovem Pan do Paraná, nesta quinta, o pré-candidato à Presidência Sergio Moro (Podemos) disse que o atual mandatário Jair Bolsonaro (PL) comemorou a soltura do ex-presidente Lula (PT) em 2019.

Após 580 dias na cadeia, Lula foi solto em novembro daquele ano após a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que pôs fim à prisão em segunda instância. Ele havia sido preso por decisão de Moro, quando era o juiz da Operação Lava Jato.

“O presidente não fez nada [para reverter a decisão do STF]. E, na verdade, o que a gente sabia é que o Planalto, o presidente comemorou quando o Lula foi solto em 2019 porque ele entendia que aquilo beneficiava ele literalmente. Então, ele não trabalhou para manter a execução em segunda instância”, afirmou o marreco de Maringá, que era ministro da Justiça quando isso teria acontecido.

Participe de nosso grupo no WhatsApp clicando neste link.

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link.