Não é que voltou o veto a “criado-mudo”? Por Luis Felipe Miguel

Veja a BBC Brasil
Não é que voltou o veto a “criado-mudo”? Por Luis Felipe Miguel. Foto: Reprodução/BBC

O cientista político Luis Felipe Miguel, da UnB, escreveu sobre a questão do termo “criado-mudo”. E também sobre seu veto. O texto saiu no Facebook. Entenda a análise dele.

LEIA MAIS:

1 – Live das 5 – Reveillon e carnaval: liberou geral? Dr. Marcos Caseiro responde; Olavo depõe à PF

2 – Senado torna Paulo Freire um dos heróis da pátria; entenda

3 – Mandetta nega desistência de candidatura e diz que dirigente se precipitou

Veto ao ‘criado-mudo’?

Não é que voltou o veto a “criado-mudo”, com base numa etimologia sem pé nem cabeça, inventada numa campanha publicitária, remetendo a uma história absurda?

A lista de palavras vetadas, que li em reportagem da BBC Brasil atribuindo-as a uma cartilha da defensoria pública baiana, começava com “criado-mudo” e terminava com “escravo”.

A ideia é que a palavra “escravo” essencializa a condição do cativo, justificativa para substituí-la por “escravizado”. Mas aqui se revela uma compreensão bizarra do funcionamento da linguagem.

É uma espécie de cartesianismo linguístico, similar ao daqueles que querem abolir “risco de vida” e “gol de bola parada”, ainda mais estranho porque partindo de gente que, em geral, prega epistemologias “decoloniais” não eurocêntricas.

E, caso fosse assim, o operário teria que ser “operarizado”, pois ser explorado não define sua essência como ser humano. O bolsonarista viraria “bolsonarizado”, já que sua adesão à extrema-direita não está marcada na genética, mas é fruto de processos sociais. E assim por diante.

Outras palavras e expressões vetadas, citadas na reportagem, remetem a origens hoje já completamente esquecidas – mesmo aceitando que as narrativas explicativas são verdadeiras, o que está longe de ser pacífico. Ou alguém que fala “de meia tigela”, “feito nas coxas” ou “a dar com pau” está remetendo à escravidão?

É aquela crença numa espécie de homeopatia etimológica – à qual, aliás, converteu-se até Reinaldo Azevedo, no esforço desesperado para apagar seu passado recente de ultradireitista histriônico. Tal como nas beberagens do dr. Samuel Hahnemann, os sentidos originais das palavras continuam operantes e potentes, mesmo depois de séculos sendo apagados pelo uso.

Se fosse assim, seria impossível falar. A língua é atravessada por preconceitos, crenças falsas, hierarquias sociais. Mas as palavras se emancipam de suas origens.

Aliás, teríamos que recusar até “vacina”, já que a palavra, paradoxalmente, se associa ao gado – exatamente aqueles que resistem a ela!

Eu me pergunto qual é o ganho de recuperar sentidos que o uso apagou.

Para além de seu uso especializado, a etimologia era uma diversão de salão. Eu, Luís, podia espantar os convivas chamando um Clóvis de “meu xará”. Agora, tornou-se uma fábrica de tretas.

Que bom que não existe nada mais importante no mundo, que exija nossa atenção!

Enquanto isso, Patricia Hill Collins continua usando o verbo “denigrate” sem nenhum pudor. Imagino que não seja o caso de cancelá-la – ela, que se tornou um ícone do feminismo negro, reverenciada mesmo por muita gente que nunca a leu.

Em Black feminist thought, seu livro mais conhecido, a palavra aparece já no terceiro parágrafo. E permanece lá, ao longo das edições revisadas.

Tive a curiosidade de buscar a tradução brasileira.

“Societally denigrated categories”, que está já no prefácio, virou “categorias socialmente preteridas”, o que, francamente, não tem o mesmo peso. Pelo livro afora, todas as vezes, sem exceção, a palavra foi modificada na tradução.

É uma pena, porque seria interessante exibir uma estratégia diferente – na verdade, uma hierarquia de prioridades diferentes. Em vez de recuperar o substrato racista da palavra, tornando-o novamente ativo diante do público, a fim de estimular sua má consciência, o que Collins faz é aceitar o processo de neutralização do sentido originário. Assim, foca suas energias em outras coisas. Mais difíceis de serem enfrentadas, mais espinhosas, mas também provavelmente mais importantes.

Participe de nosso grupo no WhatsApp clicando neste link

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link