Dallagnol festeja derrota da PEC 5, derrubada com ajuda do PSOL

Deltan Dallagnol coçando a cabeça
Deltan Dallagnol.
Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Deltan Dallagnol comemorou a derrota da PEC 5, votação que o beneficia. Ele publicou uma lista com os votos dos deputados paranaenses no projeto. O projeto ficou conhecido também como “PEC do CNMP” e teve a ajuda do PSOL para ser derrubada. O partido orientou os parlamentares a votar contra o texto.

A derrota da PEC o beneficia diretamente. Um dos pontos propostos pelo projeto era justamente o aumento do prazo prescricional de processos disciplinares do CNMP. Dallagnol se valeu do prazo para se livrar do julgamento do conselho.

O órgão não abriu processo administrativo disciplinar (PAD) para investigar a conduta do procurador. As penas que poderiam ser aplicadas foram prescritas. A apreciação do caso já havia sido adiada 42 vezes.

Logo após a votação da PEC, Deltan foi às redes. Segundo ele, a votação “é uma grande vitória da sociedade e dos parlamentares que desejam ver um Ministério Público forte, atuante e sobretudo independente”.

Leia também:

1 – Bancada ruralista culpa Bolsonaro por veto à carne pela China

2 – Bolsonaro vai inaugurar obra que não funciona em Pernambuco por culpa dele próprio

3 – Justiça retira censura e permite que Mariana Ferrer volte a falar sobre estupro

Ao contrário de Dallagnol, Daniel critica derrota da PEC e o PSOL

Daniel Cara, educador filiado ao PSOL, criticou o partido por votar contra a PEC. “Foi um erro”, afirma. “Não posso e não vou me omitir nessa questão”.

A orientação do partido foi no sentido que Dallagnol e Sergio Moro queriam. Faltavam 11 votos para aprovar a PEC e os oito deputados do partido se manifestaram contra. São eles: Áurea Carolina, David Miranda, Fernanda Melchionna, Glauber Braga, Ivan Valente, Luiza Erundina, Talíria Petrone e Vivi Reis. Com a decisão, o CNMP continuará protegendo procuradores e juízes.