Esposa de Eduardo Bolsonaro mentiu: Deputado usa dinheiro público em viagens

Eduardo Bolsonaro e esposa
Eduardo Bolsonaro ao lado da sua esposa

A esposa de Eduardo Bolsonaro se manifestou hoje após a polêmica da viagem do casal para Dubai e mentiu. Segundo ela postou em suas redes sociais, Eduardo não usa dinheiro público para viajar, mas é o oposto. Heloísa chegou a usar foto da ex-presidenta Dilma para justificar a viagem. Mas sua explicação contem uma informação que não é verdadeira, como apurou o DCM.

Em seu perfil no Instagram, ela escreveu que Eduardo não usa dinheiro público para viagens. “Parece algo de outro mundo que Eduardo possa estar em viagem com a família (e a trabalho), sem gastar um real de dinheiro público, né? Muitos parecem nao conseguir acreditar. Nossa vinda a Dubai representa custo zero ao Estado . Sempre que viajamos fazemos com recursos próprios. Não há preço que pague essa consciência tranquila e não precisa esconder nada que fazemos”, escreveu.

A frase deixa claro que o marido viaja com recursos públicos, mas não é verdade. Como foi revelado hoje (18), o custo da viagem para Dubai foi de R$ 3,6 milhões para os cofres públicos. Isso para uma comitiva de 69 pessoas e que inclui Eduardo Bolsonaro que, segundo ela, viaja a trabalho.

Leia mais:

1 – “CNMP é um órgão eficiente”, diz Dallagnol, que teve julgamento adiado 42 vezes

2 – Suspeito de financiar tráfico de cocaína em aviões da FAB é preso

3 – MPF acusa 8 militares por crimes contra a Guerrilha do Araguaia na ditadura

Eduardo Bolsonaro e as viagens

O DCM mostrou mais cedo que, apenas em 2019, antes da pandemia, Eduardo Bolsonaro viajou à vontade. Em seu primeiro ano de mandato, ele simplesmente viajou para 11 países. Os dados são públicos e podem ser conferidos no Portal da Transparência, alimentado pela Câmara dos Deputados. Isso mostra por si só a mentira de Heloísa Bolsonaro.

Agora, em 2021, com o fim da pandemia, o filho do presidente voltou seu ritmo desenfreado de viagens. Tanto que esteve com o pai nos EUA durante a Assembleia Geral na ONU. Aproveitando a viagem, inclusive, o deputado federal foi vaiado quando entrou em uma loja da Apple.