Inflação fecha em 1,16% em setembro e atinge 10,25% nos últimos 12 meses

Publicado em 8 outubro, 2021 10:24 am
Conta de luz é um dos destaques da alta na inflação
Conta de Luz. Foto: Arquivo/Agência Brasil

A inflação oficial de setembro ficou em 1,16%, segundo o cálculo no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Com o valor, a taxa totalizou 10,25% em 12 meses. Os dados foram divulgados nesta sexta pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Conforme previsto, é a maior taxa de setembro desde o início do Plano Real, em 1994. No ano em questão, o índice foi de 1,53%. O total, de 10,25% também atinge a pior taxa anual desde fevereiro de 2016, quando ficou em 10,36%. No ano, o IPCA acumula alta de 6,9%.

O resultado ficou abaixo do esperado, apesar da escalada. A mediana das projeções previa avanço de 1,25%. O intervalo de 38 instituições financeiras ia de 1,13% a 1,42%.

Leia também:

1 – Tabata Amaral ganha crédito por projeto de Marília Arraes

2 – Moro é a “terceira via” favorita de Lula e Bolsonaro

3 – Doria diz que abre mão de candidatura para 3ª Via, mas não garante distribuir santinho em praça pública

Inflação foi puxada por aumento na conta de energia

Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, oito tiveram aumento em setembro. Um dos principais é a habitação, que foi de 0,68% para 2,56%. A inflação foi puxada por aumento de 6,47% da energia elétrica. No mês, entrou em vigor a bandeira de Escassez Hídrica, que acrescenta R$ 14,20 na conta de luz para cada 100kWh.

Combustíveis também tiveram aumento de preço, puxados pela alta da gasolina (2,32%) e do etanol (3,79%). O gás veicular (0,68%) e o óleo diesel (0,67%) também entram na conta.

O gás de botijão também sofreu alta. Em setembro foi de 3,91%, o que totaliza 34,67% nos últimos 12 meses. Na alimentação, as maiores altas foram das frutas (5,39%), do café moído (5,50%), do frango inteiro (4,50%) e do frango em pedaços (4,42%). A cerveja (1,32%), o refrigerante e a água mineral (1,41%) também subiram.

Após sete meses consecutivos de alta, os preços das carnes tiveram recuo. Com avanço de 24,84% nos últimos 12 meses, a carne diminuiu em 0,21% em setembro.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!