Após anúncio de que é gay, Eduardo Leite silencia sobre homofobia de colega, prefeito de Criciúma

O governador do RS, Eduardo Leite – Foto: Reprodução

Eduardo Leite, governador tucano do Rio Grande do Sul, silenciou o show de preconceito de seu colega, prefeito de Criciúma Clésio Salvaro (PSDB).

Clésio gravou um vídeo nas redes sociais nesta quinta (26). Ele explicou o motivo de ter exonerado um professor. O prefeito acusou o profissional de utilizar conteúdo impróprio na sala de aula.

“Esse professor expôs vídeo erotizado e nós não permitimos, não toleramos. Nas escolas do município enquanto eu estiver de plantão esse tipo de atitude não vai acontecer. Essa viadagem na sala de aula nós não concordamos”, declarou.

Mês passado, Eduardo Leite assumiu sua orientação sexual. A declaração foi dada em uma entrevista para o “Conversa com Bial”.

Apesar de dizer que sente “orgulho dessa integridade”, Leite prefere não se importar com as questões LGBTs.

No caso do prefeito tucano, nenhuma nota, nenhum gesto, nada.

Talvez seja uma forma de demonstrar o motivo de ter enfatizado que é “um governador gay, não um gay governador”.

Leia também

1- Leite e a hipocrisia do PSDB no caso do prefeito que não admite “viadagem”. Por Leonardo Mendes

2- Alunos fazem saudação nazista em sala de aula em Santa Catarina e são suspensos

Investigação

O Ministério Público de Santa Catarina instaurou uma investigação preliminar contra o prefeito tucano, pela demissão do professor após usar videoclipe do cantor Criolo para estimular um debate sobre homofobia.

O vídeo exibido aos alunos na escola municipal Pascoal Meller é um clipe da música “Etérea”, que foi indicado ao Grammy Latino na categoria Melhor Canção em Língua Portuguesa.

A Secretaria Municipal de Saúde de Criciúma afirmou que o conteúdo exibido aos alunos não faz parte do plano de ensino. A denúncia contra o prefeito foi feita por uma vereadora da cidade.

A vereadora pede também que o MP verifique se os direitos dos alunos LGBTI e de suas famílias estão sendo desrespeitados.