Sem projeto a favor do Brasil, oligarquias só têm plano anti-Lula. Por Jeferson Miola

Sem projeto a favor do Brasil, oligarquias só têm plano anti-Lula

Publicado originalmente no blog de Jeferson Miola

Lula. Imagem: Divulgação
Lula. Imagem: Divulgação

O banqueiro Roberto Setúbal apela para o otimismo. “Temos de acreditar na terceira via” [17/10], proclama o copresidente do Conselho de Administração do Itaú-Unibanco, instituição que em 2020 obteve lucro líquido de R$ 18,5 bilhões e que no 1º semestre de 2021 já lucrou R$ 12,9 bilhões – cifra 59,4% superior ao lucro obtido no mesmo período do ano passado.

O jornalista Matheus Leitão injeta otimismo: “pesquisa traz boa notícia para a 3ª via” [16/10], escreve ele na revista Veja, explicando que o levantamento “Genial/Quaest traz um número interessante para os grupos do nem/nem – nem Jair Bolsonaro, nem Lula”: subiu de 24% para 29%.

A busca do bloco dominante pela mal apelidada “3ª via” – na verdade, por uma candidatura anti-Lula viável – não deriva de nenhuma contradição de fundo das oligarquias com o programa executado pelo governo Bolsonaro. O problema, como se sabe, é simplesmente de cálculo eleitoral.

Leia mais:

1. Dallagnol é alvo de representação no CNMP após fabricação de delação revelada no DCM

2. Viraliza VÍDEO em que famintos catam restos em caminhão de lixo em Fortaleza

3. Bolsonaro zomba dos mortos por covid e posta VÍDEO com Capitã Cloroquina no Dia do Médico

Caso vislumbrasse a possibilidade de derrotar Lula com Bolsonaro, essa lúmpen-burguesia não estaria inventando a chamada 3ª via, pois já teria embarcado na campanha para a reeleição do sociopata-genocida, tal como fez em 2018 naquela que ficou celebrizada como “uma escolha muito difícil” entre o professor e a Aberração fascista.

Setores majoritários do PIB e da direita tradicional são categóricos em rechaçar Lula, porém nunca descartam o voto em Bolsonaro. O que está em jogo, para eles, é a continuidade da devastação ultraliberal.

Os retrocessos proporcionados por Bolsonaro criaram condições impressionantes de saqueio, roubo dos fundos públicos e concentração de riqueza. Na pandemia, o Itaú e o rentismo nacional e estrangeiro acumularam lucros indecentes. E um par de ricaços passou a figurar na lista de bilionários da revista Forbes, ao passo que 120 milhões de pessoas desesperadas passaram a viver em situação de insegurança alimentar.

As oligarquias não se compadecem com o morticínio de 600 mil brasileiros e brasileiras, mesmo sabendo que pelo menos 400 mil vidas poderiam ter sido preservadas não fosse a gestão governamental criminosa da pandemia. Também não se compadecem com 20 milhões de pessoas passando fome e 15 milhões de trabalhadores desempregados.

A ameaça fascista-autoritária tampouco sensibiliza os poderosos, que não têm o menor apreço pela democracia porque apenas almejam continuar acumulando cada vez mais, a despeito da barbárie à volta. O banqueiro do Itaú defende, por exemplo, mais “uma reforma trabalhista que aumente a produtividade”. O que significa isso, depois da destruição completa da CLT e da “uberização” das relações de trabalho? Por acaso planejam um regime mais escravocrata?

Esta lúmpen-burguesia que em 2016 golpeou Dilma e que em 2018 prendeu Lula na maior farsa judicial do mundo para conseguir eleger Bolsonaro, não tem um projeto a favor do Brasil e do povo brasileiro. Só tem o plano anti-Lula.

Como expôs o ministro das offshores Paulo Guedes em evento da Câmara de Comércio Internacional [27/9], o plano anti-Lula dos capitais é bastante ambicioso e representa o sequestro do presente e do futuro do país.

O plano para os próximos 10 anos, explica Guedes, é “continuar com as privatizações. Petrobras, BB, todo mundo entrando na fila”. O desmanche ainda inclui a contrarreforma administrativa que reforça o poder das castas que capturam o Estado e golpeiam a democracia e a destruição final da previdência social com a adoção do mesmo regime de capitalização financeira que faz do Chile o país com maior número de suicídios de idosos do mundo.

O Brasil talvez seja o único país do mundo que promoveu um processo de reestruturação capitalista em plena pandemia. Uma reestruturação baseada na precarização do trabalho e na desproteção radical dos trabalhadores, com o propósito de aumentar a exploração e a taxa de lucro dos capitais.

O bloco dominante, insaciável no apetite de uma acumulação expansiva e eterna de capital, quer ainda mais. E não importa se, para isso, precisa lançar mão da barbárie fascista.

Lula é o “estraga-festa” do banquete das oligarquias servido às custas da hecatombe humana; é o grande obstáculo à continuidade deste plano anti-civilizatório, anti-povo e anti-soberania que unifica os interesses de todas as frações das classes dominantes.

Não por outra razão as escórias oligárquicas fazem ordem unida na tentativa desesperada de viabilizar uma alternativa anti-Lula. Em caso de fracasso na empreitada, não hesitarão em partir para a ruptura institucional para continuarem e aprofundarem o brutal processo de devastação do país.