Pesquisas apontam crescimento de Boric no Chile. Por Jeferson Miola

Boric
Boric – Foto: Reprodução

A duas semanas do 2º turno da eleição presidencial chilena, se acirra a disputa entre o progressista Gabriel Boric, pela Frente Ampla, e o ultradireitista José Antonio Kast, pelo Partido Republicano.

A vantagem apertada de Kast no 1º turno, de apenas 2,07% sobre Boric [146.610 votos], prenunciava uma disputa bastante difícil no 2º turno.

Todas as 9 pesquisas divulgadas no país desde 26 de novembro sobre a intenção de votos indicaram, entretanto, vantagem de Boric em relação a Kast.

A significativa variabilidade dos resultados encontrados, entretanto, ainda que sempre apontando tendência de vitória do Boric, desaconselha qualquer conclusão assertiva a respeito do prognóstico.

Os levantamentos desta última semana, mais homogêneos nos resultados, convergem na aferição de uma diferença pró-Boric ao redor de 6% – algo como 53% a 47%.

Este cenário, teoricamente, guarda coerência com a dinâmica de massas da campanha frente-amplista no 2º turno e traduz o assombro dos setores populares e democráticos da sociedade chilena com os riscos de retrocessos e de totalitarismo que Kast representa.

Esta presumível dianteira eleitoral de Boric pode representar o reequilíbrio da relação social de forças no país, que tem no processo Constituinte uma perspectiva majoritariamente progressista, popular e de esquerda. Boric é o candidato que melhor capta a ânsia da maioria do povo chileno por mudanças econômicas, sociais e institucionais.

Este quadro reflete, também, o maior potencial que possui Boric de se beneficiar da transferência de votos do eleitorado que optou por alguma das candidaturas derrotadas no 1º turno, sobretudo das que expressam compromisso com a democracia e as de recorte progressista.

Leia também:

1; VÍDEO; Merkel faz apelo de despedida contra negacionismo; “A resistência deve ser contundente”

2; STF decide que processo contra desembargador do TJ-SP deve continuar

3; Jornalista, irmão de ex-governador afastado após acusação de assédio, é demitido da CNN

Boric recebeu apoio da centrista ex-Concertación [Partido Socialista e Democracia Cristã], do Partido Progressista e de figuras destacadas na cena política nacional, como Carmen Frei, filha e irmã de dois ex-presidentes do país.

Kast, de outra parte, somente angariou apoio do candidato situacionista Sebastián Sichel; que carrega consigo a enorme rejeição do governo Piñera; do qual foi ministro até assumir a candidatura presidencial.

Já Franco Parisi, direitista demagogo que obteve surpreendentes 12,8% dos votos fazendo sua campanha exclusivamente por meio das redes sociais desde o Alabama, nos EUA [não pisou em solo chileno em toda eleição devido a problemas com a justiça] e ficou em terceiro lugar, à frente das candidaturas da UDI [Sichel] e da ex-Concertación [Provoste] – agrupamentos tradicionais que polarizavam a política chilena nos últimos 35 anos – rechaçou apoiar tanto Boric quanto Kast. Este posicionamento de Parisi beneficia, indiretamente, Boric.

Enquanto Boric recebe apoios de políticos e governantes mundiais progressistas como o ex-presidente Lula, do Brasil; a colheita de Kast na arena internacional não poderia ser mais prejudicial aos seus próprios interesses eleitorais.

Ele conta com o apoio, dentre outros, do presidente brasileiro Bolsonaro, com quem se identifica; e cuja associação transmite ao povo chileno a percepção do brutal desastre econômico e social promovido pelo seu análogo fascista do Brasil.

A legislação do Chile proíbe a divulgação de pesquisas nas duas semanas finais do pleito; ou seja, a partir deste sábado, 4 de dezembro. De agora até o domingo de 19 de dezembro; portanto, o termômetro da campanha eleitoral estará nas ruas; na disputa renhida dos candidatos pelo voto da maioria chilena para conquistar o direito de dirigir o país no próximo período rico e complexo que se avizinha.

A eleição de 19 de dezembro não define somente quem presidirá o Chile; mas coloca o país diante da possibilidade ou não de continuar e aprofundar as duas transições em curso; a transição para uma constituição republicana e democrática pós-pinochetista, e a transição para um modelo econômico pós-neoliberal.

Ventos promissores sopram dos andes e alentam a confiança num futuro melhor, democrático, justo e pós-neoliberal na América do Sul.

(Originalmente publicado no BLOG DO JEFERSON MIOLA)

Participe de nosso grupo no WhatsApp clicando neste link.

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link.