O ringue da extrema direita espera o tucano

tucano doria leite
A extrema direita aguarda decisão do PSDB para saber qual tucano levará o nome do partido em 2022

Artigo escrito por Moisés Mendes

Os tucanos finalmente decidem neste sábado quem vai disputar a presidência da República no ano que vem. Se der João Doria, terão de carregar um pré-candidato que se arrasta, apesar da vacina paulista e de ser o maior inimigo de Bolsonaro depois de Lula.

Se der Eduardo Leite, os tucanos terão pelo menos a chance de testar suas potencialidades. Depois de Sergio Moro, Leite é a maior incógnita dessa direita que anda em direção à extrema direita, pelos mais variados motivos.

O ex-juiz tem toda uma exposição de pelo menos seis anos como caçador de Lula e, depois, como empregado de Bolsonaro. Já cresceu nas pesquisas (surge com até 11%), porque apareceu bastante como o mais ilustre novo filiado ao Podemos e o nome do partido à presidência.

Eduardo Leite aparece nas pesquisas com os mesmos 4% de Doria, porque está num canto do país e ainda tem pouca exposição.

Mas há dúvidas concretas sobre a sua capacidade de se firmar como opção tucana da terceira via. O gesto mais importante de Leite até agora foi a sua decisão de sair do armário.

O que isso significa? Quase nada. Declarou publicamente que é gay e não conseguiu agregar essa exposição ao seu acervo político de jovem, neoliberal atrevido e, por isso mesmo, o preferido do mercado.

Há duas marcas que podem perseguir Leite para sempre. A primeira é o fato de que apoiou Bolsonaro em 2018, nunca se arrependeu e deu respostas evasivas sobre seu sentimento em relação ao seu bolsonarismo dissimulado.

A segunda é a tentativa desastrada, a mando do general Luiz Eduardo Ramos, de convencer Doria a retardar o início da vacinação com a CoronaVac, em janeiro deste ano.

Leite e Moro terão de se comportar como alternativas a Bolsonaro, usando as mesmas táticas e o mesmo discurso de Bolsonaro. Terão de ser candidatos da extrema direita, muito mais do que da direita, o que não exige muito esforço.

Começa agora a melhor parte da pré-campanha. Moro, Doria ou Leite e Bolsonaro vão se engalfinhar como nunca se viu entre candidatos do reacionarismo.

Esta será a primeira vez, desde a redemocratização, que nomes da extrema direita ou simpáticos a ela disputarão ferozmente o mesmo espaço, para que um deles seja o sobrevivente.

Só um deles, o que conseguir manter o eleitorado de Bolsonaro e depois conquistar eleitores do centro, entre ricos e a classe média desorientada, irá em frente para depois enfrentar Lula no segundo turno. Por isso Doria, um antibolsonarista, sai em desvantagem.

Vamos torcer para que o candidato dessa turma no segundo turno seja o ex-juiz e ex-empregado de Bolsonaro que perseguiu, condenou e encarcerou Lula.

Seria um bom espetáculo ver Moro num debate com Lula, tentando calibrar os falsetes de uma voz que o denuncia como um sujeito inseguro.

Leia mais:

1 – Após aumento de casos de Covid-19, Nova York declara estado de emergência

2 – Apelidado de ‘capacho’, Lira elogia Governo Bolsonaro por fechamento das fronteiras

3 – Colunista do UOL cita entrevista de ex-agente da CIA ao DCM e chama Moro de “risco à democracia”

Siga lendo o texto ‘O ringue da extrema direita espera o tucano’

Moro já fez média com os generais, ao acolher o general Santos Cruz no Podemos, dizendo que civis e militares são tudo a mesma coisa (só não disse que principalmente quando atuam como vendedores de vacinas).

Tudo o que Bolsonaro faz ou fez será repetido por ele e pelos outros papagaios da terceria via, com exceção de Doria. É quase certo que será divertido.

E Ciro Gomes? Ciro já está de fora, só olhando e pensando que Paris será sempre uma festa à sua espera, se a nova variante do vírus permitir.

Participe de nosso grupo no WhatsApp clicando neste link

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link