E se faltar vacina? Por Moisés Mendes

Bolsonaro foge da vacina – Foto: Wikimedia Commons

Está preparado o cenário para que Bolsonaro sonegue vacinas nos próximos meses. Tem a briga com São Paulo por causa da terceira dose da Coronavac, tem a redução de 80% no previsto em orçamento para vacinas e tem projeto de lei da extrema direita no Congresso prevendo que a vacina não deve ser obrigatória.

Há um conjunto de atitudes e movimentos na direção da sonegação da vacina, mais do que aconteceu no começo da pandemia.

Ali no começo, quando Bolsonaro enfrentou a vacina de Doria, houve também a estratégia de esperar que os parceiros se organizassem para fazer a intermediação de vacinas e as negociatas com as facções do Ministério da Saúde.

Há dúvida que se coloca diante dessa possibilidade real de falta de vacina é: o que acontecerá se não houver imunizantes suficientes para completar a segunda dose num tempo razoável e para que seja aplicada a terceira?

Acredito que haverá uma longa discussão jurídica, com a participação de palpiteiros sobre leis, danos e punições, mas não acontecerá mais nada além disso.

Haverá a gritaria dos governadores e dos epidemiologistas e infectologistas. Mas nada que se dissemine pelo que ainda chamam de sociedade civil.

Se Bolsonaro negar o fornecimento de vacina, como fez no começo, e passar a transferir pequenas quantidades aos Estados, apenas para cumprir carnê, a classe média vai se levantar? Não acredito.

A classe média só se levantaria se Bolsonaro decidisse censurar ou tirar do ar a Netflix.

Leia também

1; Na Jovem Pan, Ana Paula Henkel espalha fake news de que CEO da Pfizer disse que não iria tomar o próprio imunizante

2; Ex-funcionário dos Bolsonaros confessa que devolveu 80% do que recebeu no gabinete de Flávio

3; Ex-assessor de Flávio Bolsonaro diz que ex-mulher de Jair comprou mansão em nome de laranjas

4; Ex-funcionário dos Bolsonaros diz que era mantido em condições análogas à de escravidão


NAPOLEÃO NO PANGARÉ

Bolsonaro no pangaré – Foto: Reprodução

Cada país tem o Napoleão que merece. Esse é o Napoleão brasileiro, em sua entrada triunfal ontem em Uberlândia. Montado a cavalo agarrado à sela como se fosse uma criança e com um cowboy puxando o fogoso pangaré pelas rédeas.

(Texto originalmente publicado em BLOG DO MOISÉS MENDES)