Bolsonaro sobre comida na era Lula: “Estava mais barata”

Atualizado em 30 de setembro de 2021 às 20:11
Bolsonao em live
Bolsonaro fala sobre comida na era Lula – Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) realiza, nesta quinta-feira (30), a sua live semanal nas redes sociais. A transmissão ocorre na semana em que o governo celebra mil dias. Para comemorar a data, o mandatário está visitando vários estados do país e inaugurando obras públicas.

Após ser chamado de genocida durante discurso em Belo Horizente, Bolsonaro resolveu admitir os problemas em sua gestão. Durante a live, o mandatário comentou sobre os preços da comida no governo Lula (PT).

“O cara fala: ‘naquele tempo a comida estava mais barata’. Estava mais barata sim”, admitiu ele que culpou a pandemia pela inflação.

“Naquele tempo não tinha uma tal de pandemia. E antes do Temer não tinha o tal de teto, todo mundo podia gastar quanto queria”, completou.

Leia também:

1- Temer foi vetado para jantar da 3ª via

2- Lula zomba de debates da 3ª via: “Já passei nessa universidade para ser candidato”

3- Incluindo PT, MDB e PSL, ato já tem 21 partidos contra presidente em SP

Bolsonaro zero à esquerda

Na segunda (27), em entrevista à Jovem Pan, Bolsonaro afirmou ser um “zero à esquerda” em economia e que deposita sua confiança no presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, quando o assunto é o controle da inflação.

“Inflação é com o Banco Central independente. Eu converso uma vez por semana com o Roberto Campos, pelo menos. Eu sou um zero à esquerda na economia (…) O remédio para combater a inflação não pode ser só aumentar a taxa de juros. Se não, qualquer um poderia ocupar o Banco Central. Agora, ele sabe o que tem que fazer, tenho extrema confiança no Roberto Campos. Se não tivesse, não teria enviado o projeto para a independência do Banco Central”, disse o mandatário.

O IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor – Amplo 15), considerado uma prévia da inflação oficial (IPCA), acelerou a 1,14% em setembro. O índice acumula alta de 7,02% no ano e de 10,05% em 12 meses.