Bolsonaro ficou furioso com Anvisa: “Estão achando que sou argentino?”

Jair Bolsonaro com a mão em riste, nervoso e não gostou do arquivamento do pedido de impeachment
Bolsonaro ficou furioso com a Anvisa Responda – Foto: Reprodução

O presidente Bolsonaro não gostou nada de saber que a Anvisa exigiu quarentena da delegação brasileira. A orientação partiu após a confirmação que o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, foi contaminado com Covid-19. O presidente teria ficado furioso ao ser informado da necessidade de ficar duas semanas isolado.

“Vão fazer o que? Me prender?”, teria dito o presidente. A frase foi dita por um interlocutor ao DCM sob a condição de anonimato. Segundo ele, Bolsonaro não acreditou, a princípio, que a Anvisa o proibiria de sair. “Eles estão achando que sou argentino?”, questionou.

A citação é referente ao fato da Anvisa ter invadido o jogo entre Brasil e Argentina para retirar jogadores que não cumpriram a quarentena. Para Bolsonaro, a orientação da Anvisa teria sido uma espécie de desafio para o estilo do presidente.

Leia mais:

1 – Inimigo de Doria, Aécio critica saída de Alckmin do partido: “Diminui o PSDB”

2 – Fux anuncia desafios do STF e manda indireta: “Não há espaço para amedrontamento”

3 – Advogada que produziu dossiê da Prevent Senior relata à CPI da Covid roubo em escritório

Bolsonaro critica Anvisa

“Eles não podem impedir meu livre arbítrio”, insistiu Bolsonaro cada vez mais revoltado. Ainda em Nova York, ele decidiu que não cumpriria a quarentena. “Vou à motociata”, teria garantido o presidente se referindo ao evento no Paraná.

A decisão havia sido baseada no que ele costuma dizer para sua base eleitoral. “A liberdade é o mais importante”. Ele teria dito a membros da comissão que não poderia admitir que sua liberdade fosse bloqueada pela Anvisa. E, na visão de Bolsonaro, sem nenhum tipo de motivo.

Desde o momento em que ele tomou a decisão de desafiar a Anvisa, o presidente gerou nova crise. Aliados tentaram conseguir um papo com membros da Agência para sondar o que seria feito. A resposta foi direta: o descumprimento poderia levar técnicos ao evento, como aconteceu com o Corinthians.

Diante disso, Bolsonaro foi convencido de cancelar os eventos e mudar a agenda. Mesmo assim, a decisão foi contrariada.