Ciro Gomes comemora repercussão após ataques a Lula e Dilma: “Virei assunto”

Ciro Gomes, Lula e Dilma
Ciro Gomes, Lula e Dilma
(foto: AFP/Reprodução)

Ciro Gomes virou o centro das atenções na internet nesta quarta (13). O pedetista resolveu atacar os ex-presidentes Lula e Dilma, reforçando o ódio em suas grosserias. Ele insinuou que Lula facilitou o golpe parlamentar contra Dilma, o que não é verdade segundo as reportagens da Vaza Jato.

Após toda repercussão, mesmo que negativa, Ciro comemorou os resultados. “Virei assunto”, disse o pedetista para aliados. Segundo apurou o DCM, desde o início, esse era o objetivo calculado pelo marketing do político. Agora, Ciro quer ser lembrado, ser falado, para somente depois, buscar a foto e idealizar sua imagem.

No Google, o interesse de pesquisa do pedetista disparou após os ataques. O nível de interesse varia de 0 a 100. Por volta das 10h00, Ciro tinha apenas 14 pontos. Ao longo do dia, a repercussão aumentou até bater o nível mais alto às 19h00. No Twitter, o nome do parlamentar ainda chegou aos assuntos mais comentados da rede social.

Leia também:

1- Após pedido do Senado, governo Biden toma atitude para se afastar de Bolsonaro

2- ‘Juiz ladrão’, Moro vai dar palestra na Universidade de Chicago sobre corrupção

3- ‘PT trabalha 24 horas por dia para impedir o Gomes de crescer’, reclama o presidente do PDT

Ciro fala mais de Lula que de Bolsonaro

Com a estratégia clara de ataque contra Lula a fim de crescer nas pesquisas, Ciro acaba por esquecer do “real inimigo”, como ele mesmo diz: Jair Bolsonaro. Levantamento exclusivo feito pelo DCM mostra que ele passa mais tempo atacando o petista que Bolsonaro em suas páginas na internet.

Desde a contratação de João Santana como marqueteiro da pré-campanha, o perfil dele mudou. No Twitter e no Instagram, o candidato do PDT passou a atacar Lula durante praticamente todos os dias.

No total, de todos os posts e comentários de Ciro no Instagram e no Twitter, ele ataca bem mais Lula. O ex-presidente é citado de forma pejorativa em 41% dos posts dele. Já Bolsonaro é citado muito menos, em apenas 32% dos casos.