CPI não vai mais atribuir a Bolsonaro crime de genocídio de indígenas

CPI genocidio retirado
Bolsonaro se livrou do indiciamento de genocídio contra povos indígenas

Bolsonaro não vai ser mais indiciado pelo crime de genocídio de indígenas e por homicídio qualificado no relatório final da CPI da Covid. A definição ocorreu na noite desta terça (19) pela cúpula da comissão. O texto será lido nesta quarta-feira (20) no Senado.

Os senadores do chamado G7 jantaram na casa do parlamentar Tasso Jereissati (PSDB-CE). E lá decidiram retirar os dois indiciamentos. Isto porque não havia um consenso sobre o assunto, conforme revelou Omar Aziz.

“O genocídio não era consenso, não havia consenso de ninguém, entre juristas não havia consenso. Entre nós senadores, eu mesmo disse que tinha que ser convencido. O mais importante dessa reunião é que saímos unificados”, afirmou o presidente da comissão ao G1.

Só que ainda vai constar no relatório o indiciamento por crime contra a humanidade. Essa foi a solução encontrada pelos integrantes da comissão. Bolsonaro também será indiciado pelo crime de “epidemia com resultado de morte”.

Leia mais:

1 – Demissão de ex-procurador da Lava Jato pode ser barrada; Veja o motivo

2 – VÍDEO: na Globo, Míriam Leitão enquadra Eduardo Leite por apoio a Bolsonaro e tucano se enrola

3 – VÍDEO: Doria assume erro por voto em Bolsonaro, mas joga peso para população: “Outras pessoas erraram”

CPI também tirou indiciamento de Flávio Bolsonaro

Omar Aziz revelou que não terá no relatório final o indiciamento do senador Flávio Bolsonaro pelo crime de advocacia administrativa.

Os senadores definiram que a sessão de amanhã vai ocorrer apenas para a leitura do relatório de Renan Calheiros. A discussão do parecer e versões alternativas vão ficar para semana que vem, no dia 26.