Ativistas do Greenpeace fazem protesto para premiar Arthur Lira com Troféu #MotosserraDeOuro

Arthur Lira é o “vencedor” do “prêmio” Motosserra de Ouro Edição 2021. Foto: Adriano Machado/Greenpeace

Ativistas do Greenpeace, uma organização de proteção ambiental, foram à Câmara dos Deputados nesta terça-feira (17) para entregar a edição 2021 do Troféu Motosserra de Ouro ao presidente da casa, o deputado federal Arthur Lira (PP-AL).

Para o Greenpeace, Lira está “passando a boiada” na Câmara, colocando em votação Projetos de Lei que ameaçam a Amazônia, os povos da floresta, do campo e da cidade e o clima global.

Um dos mais recentes PLs nesse sentido é o que legalizou a grilagem, que é o roubo de terra pública pelos grandes fazendeiros. Lira recebeu o “prêmio” por estar “seguindo à risca a política antiambiental do governo federal”, segundo o grupo.

Leia mais:

1. 61% não votariam em Bolsonaro de jeito nenhum, diz pesquisa XP/Ipespe

2. XP/Ipespe indica aumento da vantagem de Lula sobre Bolsonaro: 40% contra 24%

3. Cinco personalidades negras serão homenageadas com monumentos em SP

4. Auditor diz na CPI que Bolsonaro alterou arquivo sobre mortes de covid e divulgou como oficial

Lira escolhe pautar projetos nocivos ao meio ambiente, diz Greenpeace

“Arthur Lira é hoje o funcionário número um do presidente Jair Bolsonaro, pois tem colocado em votação uma série de projetos de lei que vão contra os interesses da população brasileira e que aumentarão ainda mais as taxas de desmatamento e queimadas, além de estimular mais o roubo de terras e a violência contra populações tradicionais e do campo”, afirma a porta-voz de Políticas Públicas do Greenpeace Brasil, Thais Bannwart, no site oficial da organização.

Lira poderia, como presidente da Câmara, barrar projetos contrários à preservação do meio ambiente. Em matéria no site do Greenpeace, a organização diz que em menos de seis meses de mandato, o deputado tem escolhido pautar projetos nocivos nesse sentido. Além disso, promete avançar contra povos indígenas e liberar mais agrotóxicos nas próximas semanas.