Pode “adorar” e não pode xingar? Por Fernando Brito.

Bolsonaro foi xingado
Bolsonaro foi xingado

Por Fernando Brito

A detenção pela Polícia Rodoviária Federal, de uma mulher que teria xingado Jair Bolsonaro quando este procurava aplausos na beira da rodovia Rio – São Paulo, antes da 10392ª cerimônia de formatura militar em que está. há anos, fazendo politicagem com com tropas militares, é bem o retrato da absurda alteração de ânimos a que este país foi levado nos últimos anos, com a diferença é que um dos lados tem, para reagir ao outro, o ânimo destas e das polícias em geral (não só a Federal) em transformar protestos em crimes.

Se soltar algumas imprecauções sobre o presidente for motivo para conduzir alguém à Polícia Federal, para “assinar” um flagrante de injúria, corre-se o risco de ter de transferir as delegacias da PF para estádios de futebol, quando se trata de um presidente com rejeição entre 55 e 69%, como temos. Ainda mais quando este, ostensivamente, à beira de uma rodovia movimentada, provoca uma exposição mais do que propícia a isso.

Amanhã terão de fazer isso em estádios de futebol, desfiles de carnaval ou praças públicas.

Curioso é que Bolsonaro trata como “atos ditatoriais” deter pessoas que desafiavam as medidas legais restritivas na pandemia, dizendo que era um absurdo “deter uma senhora” só porque recusava as ordens de usar uma máscara ou evitar uma aglomeração, mas não acha que seja isso uma passante dizer um desaforo ao cruzar com ele numa rodovia.

Leia também:

1- VÍDEO – Mulher dispara ataques contra o presidente: “Nunca vai me representar, seu bosta”

2- Saúde investiga se caso de Covid em brasileiro que veio da África do Sul é da variante Ômicron

3- Moro é o novo “Touro de Ouro”

Siga lendo o texto “Pode “adorar” e não pode xingar?”

Aliás, não apenas cruzar, mas encontrar uma sessão de exibição pública em que ele passou quase uma hora, com o tráfego cortado para meia-via, à espera de aplausos e saudações de quem chegou a ver que era ele, ali, num cata-aplauso digno de sua pequenez e de sua desocupação presidencial.

Poderia ter gasto o tempo visitando os inúmeros funcionários fantasmas que receberam por anos nos gabinetes dos seus filhos para trabalhar no Rio morando lá, em Resende. a 150 km de distância e agradecer todas as contribuições que deram à família.

Participe de nosso grupo no WhatsApp clicando neste link

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link