Emissoras de rádio e TV aberta, incluindo da Globo, vulgarizam o uso do celular na reportagem, diz colunista

Trabalho em externa da repórter Veruska Donato, acompanhada de uma equipe completa da TV Globo
Imagem: Instagram

O colunista Flávio Ricco no UOL informa que o celular veio a se transformar num facilitador importante para o jornalismo da TV. Antes, para toda e qualquer reportagem, as emissoras deslocavam o repórter, cinegrafista, um assistente e o motorista da viatura. Com o correr dos tempos, deixando a melhor qualidade um pouco de lado, algumas dessas funções foram extintas ou acumuladas.

De acordo com a publicação, hoje, uma equipe completa (ENG), ao contrário do que sempre foi, em alguns casos se resume a duas pessoas. E olhe lá. Observa-se casos de repórteres trabalharem só com o celular. Na Band foi ao ar uma matéria inteira desse jeito, com o repórter em “selfie”. Sai mais barato. É a televisão cada vez mais próxima da internet, quando deveria ser ao contrário.

Ontem, na Band, durante a apresentação de um boletim de notícias, às 10h50, o repórter fez um stand up de celular dentro do estúdio em Brasília. Gravando com celular dentro do estúdio. As emissoras de rádio, do lado delas, também passaram a transmitir as suas programações em vídeo. Algumas, mais jeitosas, preparando seus estúdios convenientemente para isso. CBN entre elas. Outras, no entanto, sem o mesmo cuidado, passando a impressão do completo improviso. Rádio Bandeirantes, por exemplo, completa o colunista.

Categorias
GloboSeries & TVTV
Pedro Zambarda de Araujo

Escritor, jornalista e blogueiro. Autor dos projetos Drops de Jogos e Geração Gamer, que cobrem jogos digitais feitos no Brasil e globalmente. Teve passagem pelo site da revista Exame e pelo site TechTudo. E-mail: [email protected]

Relacionado por