Pedro Cardoso: “Políticos são empregados do povo que administram o Estado. Não há razão para viverem no luxo”

Pedro Cardoso. Foto: Reprodução/Instagram

Do Instagram do ator Pedro Cardoso, ex-Globo:

Bom dia.

Compartilho vídeo publicado em The Guardian. Mostra políticos no palácio de Buckingham celebrando sei lá o quê. O que me interessa na imagem é a revelação de como a política é o parque de diversão dos políticos. A vida deles é uma sucessão infindável de noites do Oscar, às vezes me parece. E me pergunto: por que os eventos do Poder devem sempre se passar em ambientes de fausto? Mesmo países paupérrimos ostentam acontecimentos luxuosos quando se fazem representar.

Mesmo países comunistas são ostensivos em exibir a grandeza em que vivem os seus líderes. A Rússia comunistas foi tão grande eloquente quanto era a Rússia imperial.

A democracia inglesa mantem-se monárquica para exibir as joias da coroa.

Por qual razão nesse mundo o Poder deve se passar em ambientes de luxo em lugar de transcorrer em ambientes de trabalho? Os símbolos das nações precisam transmitir ideia de fartura e riqueza? Será por isso? As festas das nacionalidade precisam ser desfiles militares? Recentemente, em dia nacional, a China fez desfilar uma quantidade ofensiva de armamentos. O mesmo se passa por toda parte.

O Estado é apenas a maquina administrativa de um país; um país é um pedaço do planeta dominado por uma (ou mais) nações. Políticos são os empregados do povo que administram o Estado. Não há razão alguma para viverem no luxo. Não há razão alguma para políticos desfrutarem de maior conforto do que os cidadãos a quem servem. Em um país que esteja se aproximando da justiça social, políticos deveriam viver como vivem a maioria dos seus. Em países desiguais como o Brasil, que nem mal começaram a rumar para o futuro, políticos deveriam viver na mesma pobreza em que vive a maioria.

Para mim, o Estado brasileiro está mais bem representado pela rua do que pelos salões diplomáticos. Essa dissociação entre o modo como vive o povo e como o Estado se faz representar é uma herança de regimes pré-democráticos. Pode parecer mesquinharia minha exigir pobreza dos políticos; mas desconfio que a política está envenenada pela droga do poder; políticos vivem alucinados de divertimento. O mundo se acabando e, como se vê no vídeo, políticos se divertindo numa festa onde nada há para se comemorar.

VEJA TAMBÉM – VÍDEO: Macron, Trudeau e Boris Johnson são flagrados ridicularizando Trump em reunião

View this post on Instagram

Bom dia. Compartilho vídeo publicado em The Guardian. Mostra políticos no palácio de Buckingham celebrando sei lá o quê. O que me interessa na imagem é a revelação de como a política é o parque de diversão dos políticos. A vida deles é uma sucessão infindável de noites do Oscar, às vezes me parece. E me pergunto: por que os eventos do Poder devem sempre se passar em ambientes de fausto? Mesmo países paupérrimos ostentam acontecimentos luxuosos quando se fazem representar. Mesmo países comunistas são ostensivos em exibir a grandeza em que vivem os seus líderes. A Rússia comunistas foi tão grande eloquente quanto era a Rússia imperial. A democracia inglesa mantem-se monárquica para exibir as joias da coroa. Por qual razão nesse mundo o Poder deve se passar em ambientes de luxo em lugar de transcorrer em ambientes de trabalho? Os símbolos das nações precisam transmitir ideia de fartura e riqueza? Será por isso? As festas das nacionalidade precisam ser desfiles militares? Recentemente, em dia nacional, a China fez desfilar uma quantidade ofensiva de armamentos. O mesmo se passa por toda parte. O Estado é apenas a maquina administrativa de um país; um país é um pedaço do planeta dominado por uma (ou mais) nações. Políticos são os empregados do povo que administram o Estado. Não há razão alguma para viverem no luxo. Não há razão alguma para políticos desfrutarem de maior conforto do que os cidadãos a quem servem. Em um país que esteja se aproximando da justiça social, políticos deveriam viver como vivem a maioria dos seus. Em países desiguais como o Brasil, que nem mal começaram a rumar para o futuro, políticos deveriam viver na mesma pobreza em que vive a maioria. Para mim, o Estado brasileiro está mais bem representado pela rua do que pelos salões diplomáticos. Essa dissociação entre o modo como vive o povo e como o Estado se faz representar é uma herança de regimes pré-democráticos. Pode parecer mesquinharia minha exigir pobreza dos políticos; mas desconfio que a política está envenenada pela droga do poder; políticos vivem alucinados de divertimento. O mundo se acabando e, como se vê no vídeo, políticos se divertindo numa festa onde nada há para se comemorar.

A post shared by Pedro Cardoso (@pedrocardosoeumesmo) on

Categorias
Destaque
Pedro Zambarda de Araujo

Escritor, jornalista e blogueiro. Autor dos projetos Drops de Jogos e Geração Gamer, que cobrem jogos digitais feitos no Brasil e globalmente. Teve passagem pelo site da revista Exame e pelo site TechTudo. E-mail: [email protected]

Relacionado por