Pedro Cardoso: “O desafio real desta crise é ela haver escancarado o custo humano da injustiça social”

Pedro Cardoso. Foto: Reprodução/YouTube

Do Instagram do ator Pedro Cardoso, ex-Globo:

Me parece haver algo estranho no vídeo que exibe a abertura de um shopping em SC. O vídeo não é jornalístico mas sim promocional. Todo o evento, com salva de palmas e solo de sax, é artificial.

Inclusive as pessoas com máscaras, transmitindo estarem embuídas responsabilidade social. E a euforia tentando esconder a apreensão… Tenho a impressão que pode ser uma encenação profissional. Custo a crer que nesse momento de preocupação com a morte alguém esteja excitado para fazer compras. E não estaria todo mundo sem dinheiro e sem emprego? Vão gastar as economias em algo não absolutamente essencial?

Deixarão de se proteger de um futuro incerto se esbanjando em promoções de inutilidades? Custo muito a crer que seja verdade. Não acredito que exista nenhuma ansiedade no momento por voltar a consumir. O que existe é desespero dos favorecidos pelo alucinado modelo contemporâneo de consumo em voltar a VENDER.

O vídeo me parece uma produção organizada para fins publicitários, custeada pelos interessados, e disfarçada de fato jornalístico. Se for, não sei se é crime, mas é mentira enganosa. A pandemia causou uma crise econômica; é preciso enfrenta-la; proteger o emprego, sobretudo, dizem e é verdade.

Quem quer proteger o emprego – ainda mais este precário assegurado pelas reformas trabalhistas e previdenciárias – quer se proteger é da falta de consumidores. Quem não ganha não gasta. Grandes fortunas são construídas com o comércio de miudezas para multidões de pobres. É o interesse desses empresários que está forçando o fim do isolamento sem preocupação alguma com risco à vida que causará.

Sobram pessoas para morrer nesse país inexistente que atende por Brasil. Nenhum dos donos das lojas daquele shopping estará trabalhando nas lojas que querem ver abertas; nem comprando nelas. Eles se fartam em ambientes exclusivos.

O desafio real desta crise é ela haver escancarado o custo humano da injustiça social histórica do mundo e do país nenhum que se faz nestas fronteiras nossas. Eu não pertenço a mesma nacionalidade que esses assassinos. Decidi não pertencer apesar do vínculo jurídico que não tenho como evitar.

No meu país sonhado não entram assassinos.

View this post on Instagram

Bom dia. Me parece haver algo estranho no vídeo que exibe a abertura de um shopping em SC. O vídeo não é jornalístico mas sim promocional. Todo o evento, com salva de palmas e solo de sax, é artificial. Inclusive as pessoas com máscaras, transmitindo estarem embuídas responsabilidade social. E a euforia tentando esconder a apreensão… Tenho a impressão que pode ser uma encenação profissional. Custo a crer que nesse momento de preocupação com a morte alguém esteja excitado para fazer compras. E não estaria todo mundo sem dinheiro e sem emprego? Vão gastar as economias em algo não absolutamente essencial? Deixarão de se proteger de um futuro incerto se esbanjando em promoções de inutilidades? Custo muito a crer que seja verdade. Não acredito que exista nenhuma ansiedade no momento por voltar a consumir. O que existe é desespero dos favorecidos pelo alucinado modelo contemporâneo de consumo em voltar a VENDER. O vídeo me parece uma produção organizada para fins publicitários, custeada pelos interessados, e disfarçada de fato jornalístico. Se for, não sei se é crime, mas é mentira enganosa. A pandemia causou uma crise econômica; é preciso enfrenta-la; proteger o emprego, sobretudo, dizem e é verdade. Quem quer proteger o emprego – ainda mais este precário assegurado pelas reformas trabalhistas e previdenciárias – quer se proteger é da falta de consumidores. Quem não ganha não gasta. Grandes fortunas são construídas com o comércio de miudezas para multidões de pobres. É o interesse desses empresários que está forçando o fim do isolamento sem preocupação alguma com risco à vida que causará. Sobram pessoas para morrer nesse país inexistente que atende por Brasil. Nenhum dos donos das lojas daquele shopping estará trabalhando nas lojas que querem ver abertas; nem comprando nelas. Eles se fartam em ambientes exclusivos. O desafio real desta crise é ela haver escancarado o custo humano da injustiça social histórica do mundo e do país nenhum que se faz nestas fronteiras nossas. Eu não pertenço a mesma nacionalidade que esses assassinos. Decidi não pertencer apesar do vínculo jurídico que não tenho como evitar. No meu país sonhado não entram assassinos.

A post shared by Pedro Cardoso (@pedrocardosoeumesmo) on

Categorias
Destaque
Pedro Zambarda de Araujo

Escritor, jornalista e blogueiro. Autor dos projetos Drops de Jogos e Geração Gamer, que cobrem jogos digitais feitos no Brasil e globalmente. Teve passagem pelo site da revista Exame e pelo site TechTudo. E-mail: pedrozambarda@gmail.com

Relacionado por